Total Pageviews

Thursday, October 29, 2015

Os efeitos da desmagnetização

Há seis dias, eu deletei o aplicativo whats app do meu celular. Desde então, sou uma pessoa muito menos estressada!
Eu antes estressava com o fato de tanta gente entrar em contato pelo whatsapp. Parece que o fato de ser "de graça" (não se paga por minuto ou dia como um SMS ou chamada) faz com que as pessoas percam a noção e enviem indiscriminadamente mensagens a qualquer horário sobre qualquer teor. Pessoas a quem eu nem sequer havia fornecido meu telefone o possuíam e me aborreciam com whatsapp. O que dizer dos grupos? E das pessoas enviando chamadas em horários completamente inadequados e me prendendo ao sinal de wifi, pois trata-se de uma ligação atrelada ao wifi? E aquele aparelho quente, fervendo, em minhas mãos?
Dei um basta quando, tentando tirar uma foto ou outra coisa do gênero, encontrava o aparelho lento e travado, muitas vezes pelo whatsapp. Notificações que estragaram a foto ou vídeo que eu estava fazendo, perdi as contas. Então optei por deletar. A princípio, temporariamente.
Mas aí, os dias foram se passando, e eu fui vendo como não ter aquelas notificações me animavam. Como é legal eu abrir o rolo da câmera e não ter fotos que não bati, mas que o aplicativo baixou para lá quando alguém me enviou. E como eu nunca mais estava com aquele aparelho radioativo fervendo em minhas mãos!
Daí fui ler sobre a oxidação, as ondas, os problemas de andar sempre às voltas com um celular. E aí fui me empoderando da decisão de que o whatsapp me trouxe muito mais desgostos do que alegrias.
Se é definitivo? Não sei. Por enquanto não tenho vontade de reinstalar, sinto-me incrivelmente melhor. O whatsapp passa uma impressão invasiva, de que você pode estar dormindo, comendo, transando, trabalhando, e sempre vai ter um ser achando legal brincar com o aplicativo - e querendo que você brinque junto. 
Recebi mais ligações e SMS nestes dias. E muito menos trelelê que me roubava as energias. Tomei um caldo de missoshiro, que li ser desmagnetizante, também. Mas o principal: aquele mundinho apitante, cheio de imagens, de grupos, de chamadas inconvenientes...continua existindo, mas agora eu estou fora dele. Durmo melhor, trabalho melhor, faço tudo bem melhor.
Vou arrumar um despertador analógico que seja bonito e que o som não seja o caos, para poder deixar o celular lá fora do quarto.
Se alguma coisa te agita, TIRE. De nada por esse conselho.

1 comment:

Yara said...

Verdade. Passei duas semanas sem celular porque fui assaltada e levaram o aparelho. E te digo: não fez falta. Comprei outro só pra ser achada pela professora do meu filho (vai que o moleque fica doente né) por 1/3 do valor e tá me atendendo muito bem.

Agora vou tirar outras coisas da vida. Alguém quer uma sogra?

Blog Archive