Total Pageviews

Thursday, October 29, 2015

Os efeitos da desmagnetização

Há seis dias, eu deletei o aplicativo whats app do meu celular. Desde então, sou uma pessoa muito menos estressada!
Eu antes estressava com o fato de tanta gente entrar em contato pelo whatsapp. Parece que o fato de ser "de graça" (não se paga por minuto ou dia como um SMS ou chamada) faz com que as pessoas percam a noção e enviem indiscriminadamente mensagens a qualquer horário sobre qualquer teor. Pessoas a quem eu nem sequer havia fornecido meu telefone o possuíam e me aborreciam com whatsapp. O que dizer dos grupos? E das pessoas enviando chamadas em horários completamente inadequados e me prendendo ao sinal de wifi, pois trata-se de uma ligação atrelada ao wifi? E aquele aparelho quente, fervendo, em minhas mãos?
Dei um basta quando, tentando tirar uma foto ou outra coisa do gênero, encontrava o aparelho lento e travado, muitas vezes pelo whatsapp. Notificações que estragaram a foto ou vídeo que eu estava fazendo, perdi as contas. Então optei por deletar. A princípio, temporariamente.
Mas aí, os dias foram se passando, e eu fui vendo como não ter aquelas notificações me animavam. Como é legal eu abrir o rolo da câmera e não ter fotos que não bati, mas que o aplicativo baixou para lá quando alguém me enviou. E como eu nunca mais estava com aquele aparelho radioativo fervendo em minhas mãos!
Daí fui ler sobre a oxidação, as ondas, os problemas de andar sempre às voltas com um celular. E aí fui me empoderando da decisão de que o whatsapp me trouxe muito mais desgostos do que alegrias.
Se é definitivo? Não sei. Por enquanto não tenho vontade de reinstalar, sinto-me incrivelmente melhor. O whatsapp passa uma impressão invasiva, de que você pode estar dormindo, comendo, transando, trabalhando, e sempre vai ter um ser achando legal brincar com o aplicativo - e querendo que você brinque junto. 
Recebi mais ligações e SMS nestes dias. E muito menos trelelê que me roubava as energias. Tomei um caldo de missoshiro, que li ser desmagnetizante, também. Mas o principal: aquele mundinho apitante, cheio de imagens, de grupos, de chamadas inconvenientes...continua existindo, mas agora eu estou fora dele. Durmo melhor, trabalho melhor, faço tudo bem melhor.
Vou arrumar um despertador analógico que seja bonito e que o som não seja o caos, para poder deixar o celular lá fora do quarto.
Se alguma coisa te agita, TIRE. De nada por esse conselho.

Tuesday, October 27, 2015

3 FACTS

Acho que vou começar a escrever sobre os fatos prediletos diariamente, porque quando tento me recordar, já estou meio confusa sobre o que aconteceu quando. Mas farei um esforcinho e também não é um exame de fezes, nem teste de níveis de complexo B, por isso, se a memória me fizer relatar fato X na semana Y, não vou pra cadeia que a tegue é minha e eu faço como quero! hehehe

1 - no outro final de semana, ainda, aproveitamos o domingo e um rasguinho pequeno de sol para irmos à praça (que inauguraram no dia anterior) levar o cãozinho para conhecer o novo espaço e tomarmos um solzinho. De lá, subimos para comer minha feijoada vegetariana (preciso postar a receita disso aliás) com uma cerveja e umas caipirinhas;
2 - já neste final de semana aqui, pegamos a estrada e fomos para Balneário Camboriú passar o final de semana que, como um todo, foi ótimo, mas na sexta à noite ficamos num pub cujo músico era excelente;
3 - e todos os dias deste final de semana, caminhamos no calçadão e ao final tomamos um coco verde. Que maravilha!

Na semana passada, aconteceram algumas coisas muito complicadas. Um amigo meu morreu numa tragédia de carro com seu namorado, a esposa de um amigo meu se suicidou na terça-feira, e um colega da repartição lá do Amazonas foi assassinado na lage de casa. A morte foi um tema presente, e o curioso é que foram todas mortes trágicas, violentas e repentinas. Fiquei triste pelas pessoas mais próximas de quem morreu, mas apesar disso, me mantive tranquila e pude seguir com minhas coisas e ajudar quem precisava de ajuda. Isso me lembra de mais um fato, sobre a segunda morte ali relatada. Vi um colega meu, ao consolar o homem, massagear seu coração. Nunca havia pensado no efeito disso sobre o emocional de alguém, mas vi que fez bem à pessoa. Na hora pensei: hum, aprendi um lugar novo para dar conforto.
Viajamos no final de semana tentando aproveitar a nossa vida. E aproveitamos, mesmo, que bom!

Monday, October 26, 2015

Na repartição

Depois de um certo período fora, voltei a postar daqui de meu desktop lento e obsoleto com o qual fui incumbida de minhas atividades desde o primeiro dia que ingressei nesse local. A vida de barnabé mesmo que celetista não muda; em poucas horas, estou no controle da situação das minhas pendências, e-mails e atendimento às pessoas.
Me mudaram de posição geográfica. Agora estou de costas para a porta de entrada, o que me deixa um pouco aflita, pois como estarei aqui falando mal dos coleguinhas com a iminência deles chegarem pelas minhas costas?!
Apesar de tudo, estou feliz de voltar. Aqui estou segura e me sinto fixada numa rotina, parece que ter rotina aqui me ajuda a ter rotina lá fora. Levaram minha garrafinha d'água. Humpf. São uns vândalos mesmo.
Em compensação, não bebem chá - cheguei aqui e vi que minha caixa de chá e minhas gojiberries permanecem intocadas!

Wednesday, October 21, 2015

O que tem pro almoço? Tartar de salmão



Então três semanas atrás, tentando consertar minha geladeira, eu a desliguei da tomada. No decorrer desse processo, coloquei alguns alimentos numa caixa térmica e iniciei a corrida contra o tempo: precisava comer tudo o que estava lá, combinando ou não, querendo ou não.
E uma das coisas que tinha era um pedaço de salmão, comprado para dias de querer sashimis, mas que no dia em questão fui obrigada a transformar em tartar, porque havia um vidro de alcaparras abertas e um pão de hambúrguer sem glúten.
Disso, mais ou menos criei a minha própria receita, e com o pão de hambúrguer, parti ao meio, e comi como se fossem torradinhas. 
A ideia que veio da dificuldade se tornou uma obsessão minha, estou louca para reproduzir, mas por enquanto, não tem salmão em casa!

TARTAR DE SALMÃO

150g de salmão limpo (sem pele e espinhas)
1 colher de sobremesa de alcaparras
suco e raspas de 1 limão taiti
1 colher de sobremesa de mostarda de Dijon
1 colher de sobremesa de molho inglês
sal e pimenta a gosto
um punhado de cebolete picada

Pique o salmão em pedaços minúsculos, quase como moído. Misture com sal, pimenta e suco de limão. Pique as alcaparras, e incorpore todos os demais ingredientes à mistura de salmão. Coloque numa tigelinha ou ramequim, uma em que o tartar encha bem, e aperte com uma colher para que fique bem compacto nessa tigela. Leve ao congelador por cerca de 10min. Após, basta desenformar num prato e comer com os acompanhamentos que preferir.

Tuesday, October 20, 2015

3 FACTS

Ainda bem que me coloquei esse desafio, assim sempre volto e conto alguma coisa por aqui. Na semana passada, vejamos:

1 - na segunda-feira, fui passear com meus amigos, seus cachorros e meus cachorros. Pegando um dos cachorros deles para correr, dei dois passos e meu shortinho de gorda caiu, mostrando que preciso de shortinhos novos :) estou pesando 55kg atualmente (quem diria?!);
2 - na quinta-feira, marquei minhas férias de final de ano junto ao meu chefe, o que significa que vamos prazoropa de novo em menos de 2 meses;
3 - gente que semana boa. Sério, bem difícil fazer isso, mas também concretizei uma decisão super importante, que já estava engatilhada, e me libertei de um compromisso que estava difícil de insistir. Sabe algo que já te fez muito bem e parecia prioridade e você mantém por apego? Desapega, de verdade. Vai por mim, amiga. Você vai se sentir flutuando!

Friday, October 16, 2015

3 FACTS

A semana passada passou tão rápido, já quase terminamos a atual! Não estou conseguindo absorver a reta final deste 2015 na velocidade em que vai. Comecei a puxar pela memória e, fiz tanta coisa que muitas já havia esquecido, então foi mais fácil reunir 3 fatos, considerando que diversos eu esqueci:

1 - pintei o cabelo de roxo sábado passado, sozinha em casa, ficou lindo, cobriu bem e eu amey;
2 - na sessão de terapia da semana passada, tive uma epifania após estar novamente caindo numa conversinha da mesma pessoa que me leva na conversinha. Isso nos leva ao post anterior;
3 - é muito simples me deixar feliz, mesmo: eu consegui limpar e arrumar minha geladeira e cozinha, e fiquei me sentindo uma heroína por causa disso!

Wednesday, October 07, 2015

Fábulas que tentam te vender

Há quem seja mau, mas não eu.
Há quem seja complicado, mas não eu.
Há quem seja doente, mas não eu.
Há quem não dialogue com você - mas não eu.
Há quem seja o vilão, mas não eu.
Nós somos iguais. Nós somos simples. Nós somos saudáveis. Nós nos parecemos. Nós nos conhecemos. Nós nos entendemos. Nós falamos abertamente sobre tudo. Eu te conheço. O problema é o outro.

Mas porque é que eu não acredito em nada disso? 

E porque é que quando eu digo: não concordo/acredito nisso, tentam me dar a volta novamente?

Não comprei a fábula. E já tem MUITO tempo.

Monday, October 05, 2015

3 FACTS

Foi uma semana complicada: cãozinho doente, geladeira danificada, carro com defeito. Ainda bem que nem tudo são defeitos nessa vida, e mais uma vez (obrigada), é difícil ficar em só três fatos prediletos da semana:

1 - neste sábado, visitei minhas amigas queridas da Bahia! Tomamos um café delicioso e colocamos a conversa de 1 ano em dia;
2 - ainda no sábado, arrumei meu quarto todo e deixei ele agradável para dormir e ficar. Depois de dias cuidando de um cãozinho doente, ter um quarto limpinho e sem pelos é uma coisa incrível!;
3 - durante a semana passada, iniciei uma rotina de meditação todos os dias pela manhã, o que tem me tranquilizado bastante.

E os seus fatos?

Blog Archive