Total Pageviews

Wednesday, May 20, 2015

O que tem pro almoço? Julia Child batendo palmas do caixão

Pressa, ingredientes em falta, preocupação com um kilinho que surgiu nem sei bem de onde, me levaram a comer ovos com salada hoje no almoço. Julia Child tem vídeos que são hit na internê dela fazendo lindos ovos, bem cremosos, do jeito que eu gosto. Ainda não sei fazer fininhos feito os dela, mas acho os meus dignos, fofinhos, saborosos, úmidos, enfim, do jeito que idealizo ovos. Daí quis compartilhar as dicas, já que nem se pode chamar de receita:

OVOS MEXIDOS COM MIL BENEFÍCIOS

2 ovos inteiros
1 clara (eu apenas tinha claras sobrando, não sou dessas que demoniza os ovos inteiros)
ghee
sal e pimenta a gosto
1 dente de alho ralado
o equivalente a "1 dente" de cúrcuma, também ralada
1 pitada de bicarbonato de sódio

Misture todos os ingredientes numa tigela bem grande e funda, para te dar espaço para trabalhar. Bata tudo (menos a ghee) com os ovos vigorosamente com um fouet.  Bata mesmo, bata veloz, bata sem pena. Deixe os ovos espumando, cremosos, bem lindos. E aqueça a ghee na frigideira, por cerca de 1min. Então deite a mistura na frigideira, em fogo médio, até formar aquela primeira película dos ovos iniciando a cozinhar. Com uma espátula, vá puxando os ovos crus e empurrando os cozidos. Como se quisesse virá-los em caso de omelete, mas não vire. Só vá puxando as beiradas cozidas para o meio, e derramando o centro cru para as beiradas. Isso tudo deve levar no máximo uns 3min, pois você quer ovos mexidos amarelinhos, cremosos, macios e nada cinzentos ou ressecados. Eles devem aparecer bem úmidos ainda, no seu primeiro estágio de cozimento. Desligue o fogo, agora sim VIRE, e deixe o calor da frigideira dar uma cozinhada na parte central de cima, que não pegou contato com o calor do fogo, por uns 2min no máximo. Adicione cebolinha verde por cima, coma com salada.



Um dia típico de mim mesma

Não sei o que me deu, mas hoje acordei por conta somente 10h15 da manhã. O que não é um problema, já que eu pego no trabalho 10h45 e ele fica a 5min de casa. Ia correr um pouco...mas tudo bem ainda.
Toca meu celular 10h25, estou indo para o banho. Era da repartição. Meu chefe passa pro gerentão que me diz querer um relatório para uma reunião que ele vai ter às 10h30. Vocês fizeram o relatório? Nem eu!
Saí porta afora sem escovar os dentes, pentear os cabelos, notebook pessoal na mão, literalmente correndo, mas tomei banho e passei desodorante.
Tá bom né gente?
Lembrei que anos atrás era tudo assim: sempre correndo porque o prazo ia estourar e eu não tinha aquela coisa pronta. Curiosamente me deu saudades de mim mesma, porque afinal, cheguei até aqui viva mesmo não fazendo nada com antecedência!

Thursday, May 14, 2015

O real primeiro dia de dieta

Recebi meu plano alimentar uns dias atrás, mas precisava comprar algumas coisas, organizar outras para então poder seguir conforme a redomendação da nutricionista o cardápio.
E entre todos estes dias, começava tudo indo bem, mas ao final do dia algo me ocorria e eu dava uma desviada básica do caminho.
Daí ontem, já meio aborrecida comigo mesma por isso, me planejei e consegui cumprir as restrições impostas: sem glúten, sem lactose (e caseína, bem mais importante), sem açúcar. Bastante legumes, frutas e proteínas. 
Daí não sei se o problema era o frio ou se o problema era eu, não conseguia parar de ingerir compulsivamente frutas e mais frutas, porque me sentia com fome. No trajeto de 10min entre o centro da cidade e minha casa, fui naquele looping de indecisão entre me preparar um missoshiro ou uma omeletinha de bananas, e ficou claro que eu queria alguma outra coisa, e não era a comida essa coisa. 
Cogitei ir no mercado concluir minhas compras, antecipando necessidades (por exemplo: comprar alface que ia acabar hoje, sendo que eu só ia comer mesmo amanhã, e mesmo amanhã não irei almoçar em casa), mas vislumbrei que se entrasse no mercado hoje, não sairia sem comer muitas coisas fora da dieta. Abandonei a ideia.
Chegando em casa, por fim me seduzi pelas omeletes de banana, mesmo sabendo que ao fim e ao cabo estava me sentindo miseravelmente com frio, e não realmente precisando de comida. Até registrei no meu aplicativo que tinha comido bem acima do permitido, mas que estava orgulhosa da qualidade dos alimentos, por isso, havia dado uma chance a mim mesma quanto à quantidade.
Não bati foto da omeletinha de banana, mas vou postar a receita mesmo assim, que é uma adaptação da que minha nutricionista me indicou:

OMELETE PROTEICA DE BANANA

2 ovos 
2 bananas bem maduras
1 sachê sweetlift (adoçante natural, sem ciclamato e outras coisas malignas, vendido em lojas de produtos naturais)
1 punhado de cranberries desidratadas (pode trocar por gojiberry, uva-passa, ameixa-seca...)
1 colher de sopa de biomassa de banana verde
canela a gosto
ghee para fritar (1 colher de chá)

Corte as bananas, depois amasse com um garfo para ficar uma pastinha. Adicione o restante dos ingredientes, bata tudo vigorosamente com um fouet, para que a massa fique bem misturada e espumosa. Aqueça uma frigideira antiaderente, com o ghee e coloque a massinha em conchas. Faça omeletinhas pequenas, pois é difícil virá-la sem quebrar, considerando que não leva nenhum tipo de farinha. Coma quentinha!

Tuesday, May 12, 2015

Notícias chocantes

Demoraram-se muitos anos até que eu tivesse a confirmação, mas fiz um estudo empírico imenso ao longo de toda a minha vida letrada, tendo especial ênfase a partir da minha entrada na universidade, tendo se perpetuado desde então:

comprar os livros não garante que você assimile o conhecimento neles contido!

É triste gente, mas é necessário lê-los, às vezes com atenção e às vezes até mais de uma vez. Por isso, tire esse sorrisinho besta da cara cada vez que sai da livraria feliz com as novas aquisições (esse é um clássico, esse tem que ler, esse vai ser fundamental no meu trabalho...) que vão morar de forma definitiva na estante. Quantas vezes, dentro do plástico até!
Feio, muito feio.
Sei que você pode mesmo dizer para si mesmo que gastar com livros "é um investimento", não é fútil como gastar em cerveja ou em roupas, mas se eles não forem lidos, ou se ao comprá-los você relega ainda mais para o fim da fila aqueles que já comprou num outro arroubo de empolgação ("esse eu tenho que ler"), isso representa: dinheiro jogado fora, mais ácaros, e você não estará sendo mais inteligente porque comprou livros. De certa forma, você foi até menos inteligente por ter feito isso.
Desculpa se estraguei seu dia? 

Friday, May 08, 2015

Gente feliz essa hein?!

Anteontem veio aqui uma pessoa de surpresa, precisava conversar. Chegou junto com o coral da repartição, bem na hora que eles iam homenagear as mães. Hoje ela voltou, novamente de surpresa, e ia ter aniversário da única alma caridosa que paga bolo e salgadinho pro setor inteiro no dia do seu aniversário.
Ela deve ter pensado que aqui é todo dia assim! Música, festinha, cafezinho... quem dera!

E ainda vi a Lara Croft roubando pastéis assados para o seu amado. Tão passando fome esses dois?!

Thursday, May 07, 2015

A imunidade da Thaís em fascículos

Depois de muito dinheiro gasto em muitos tratamentos, alternativos ou não, aqui estou eu de dieta nova. Dessa vez, não para emagrecer (não que eu não queira, sabe como é), mas sim focada em recuperar minha imunidade perdida pelo mundo dos antibióticos.
Chegou meu plano alimentar, e uma coisa que imediatamente me foi tirado foram todas as castanhas, o côco, o gergelim, e o motivo é: diminuir a replicação viral. Interessante, não? Ela havia me comentado na consulta que todas essas coisas compradas a granel sofrem os prováveis efeitos de diversas contaminações. Outra orientação foi: um grão de cada vez, até acabar. Assim, não corro o risco de ficar armazenando o trem em casa e talvez assim contaminar as coisas. 
Em breve divulgarei novidades a respeito. Achei o plano meio espartano, mas é o primeiro mês - e eu ando bem precisada de um choque. 

Wednesday, May 06, 2015

Mais um episódio que evidencia que não levo jeito pra coisa

Estou cuidando do cãozinho umas semanas. Apesar dele ser lindo, fofo, carinhoso e não incomodar quase nada, confesso que me incomodou ter que ficar sempre pensando nele, se já passeou, se não está há horas demais sozinho, etc.
Mas aí hoje de manhã veio a prova cabal de que cuidar de outro ser dependente de mim é algo acima de minhas possibilidades: tendo comido rápido demais os biscoitos que lhe dei ontem, hoje pela manhã escutei o nítido som de alguém gorfando - e esse alguém era o cãozinho. Abri a porta do quarto, e ele saiu correndo para beber água, enquanto eu... VOLTEI A DORMIR!
Sim, durante mais uma hora após o episódio, eu dormi, e quando acordei, fui fazer outras coisas. Só muito depois foi que fui olhar o estrago e limpar. Tive dó dele, que adoeceu, mas ainda mais dó de mim mesma, limpando o vômito de outra pessoa e pensando o que fiz para merecer isso.
Admiro todas as enfermeiras, mães e demais pessoas que cuidam dos outros com tanto carinho. Mas eu não sou uma delas, e definitivamente, se eu durmo com isso e limpo o vômito com tamanha auto-comiseração, não tem mesmo a menor chance de minhas blusinhas ficarem fedendo gorfo de filho meu no futuro.
Melhor as idealizações de meus filhinhos correndo nus pela praia continuarem no plano das ideias.

Monday, May 04, 2015

Tipos de humor socialmente não-aceitos

Minha "coisa" por assim dizer é ser aquela pessoa desagradável gratuitamente, mas gosto de pensar que faço isso com certa graça, o que me torna suportável aos demais...tipo:

- Fulano ainda não me mandou tal coisa por e-mail!
- Relaxa, a sogra dele morreu!
- Se já morreu não tem mais jeito! Preciso do meu e-mail!

(pessoas rindo, exagerando hipóteses sobre o final de uma história, e eu, sorrindo sadicamente):
- Vocês tão cheios de tempo hoje, né? Ninguém tá com pressa de ir embora não...
(pessoas imediatamente fechando o sorriso, lembrando que precisam correr e voltando à reunião)

São exemplos reais. Mas eu gosto de consolar a mim mesma com o pensamento de que sempre torço pelos vilões, e sou fascinada por essa personalidade quando a encontro na ficção. Se eu gosto, mais gente deve gostar, não?


Blog Archive