Total Pageviews

Thursday, July 31, 2014

Vem logo, agosto!

Estou de volta na repartição, ao menos até entrar em greve. Ao chegar não encontrei ninguém, mais de mil e-mails e tinham roubado minha caneca. Não estou a fim de me estressar, mas fui até o inferno atrás da caneca, a qual já reouve. Pois bem: em agosto trabalharei o mês todo e serei muito organizada, prometo. Prometo, prometo. E tenho até uma linda lista para este mês:

- esvaziar meu guarda-roupas
- reiniciar as aulas de dança e pilates
- retomar minha dieta (estou magra feito um palito mas sem nenhuma saúde)
- marcar férias neste ano
- devolver os livros que emprestei da biblioteca da repartição (preciso terminar de ler o último)
- vou implementar o ZTD. Começando pelo hábito de rotinas matinais
- e iniciar uma revolução financeira. Explicarei melhor assim que fechar umas decisões importantes.

Da geladeira

Então minha geladeira voltou a funcionar para minha alegria e nem tudo o que eu havia comprado se perdeu. Um detalhe intrigante é que as cenouras apodreceram, mas não os tomates. Curioso, achei que as primeiras eram mais resistentes que os segundos. 
Impaciente, pus o resfriamento máximo e agora tenho diversos sabores de sorvete: sorvete de couve, sorvete de mamão, sorvete de pastinha de atum, sorvete de massas, sorvete de mel, sorvete de molho de ostra, sorvete de fermento químico e de cola Super Bonder. Sim, congelou tudo.
Mas deixe estar: estou com sérias intenções de resolver tudo em breve.

Sunday, July 27, 2014

Das coisas que afetam o bem-estar

Coisa boa é a vida ser dinâmica a ponto de não poder blogar. Coisas ruins: adoecer, ficar muito cansada, viajar para Goiás, depois para SP, dormir pouco, e na hora da diversão, ter que voltar. Daí, ao chegar em casa, deparar-se com a geladeira sem gelar. 10 dias depois de se ausentar de casa. Descobrir que precisa desligar tudo, inclusive o congelador, que ainda funcionava, e correr com os itens congelados para salvá-los. E que o preço do conserto sairá por módicos R$450. E claro, a cereja do sundae: ter colocado toda a sua cesta orgânica com os legumes do mês 10 dias atrás, antes de viajar. E ter visto isso tudo virar um grande e complexo ecossistema, na gaveta final da geladeira.
Esse é meu mundo atualmente, e o seu?

Friday, July 11, 2014

Gente que broxa com erros de português

Acho que tão ou mais preconceituoso e classista que julgar uma pessoa pelos produtos que consome (o 'vinho docinho' da amiga é um bom exemplo disso), pelo inglês de pronúncia malfeita ou outro hábito que denote erudição e bom-gosto (além de classe e poder aquisitivo) é o julgamento que as pessoas fazem de quem comete erros de português.
De vez em quando leio aqueles menes de facebook que falam que a garota ficou afim do cara, até que ele respondeu 'cim', e com isso ela broxou. Já cansei de pegar pessoas que, irritadas com o conteúdo da fala (escrita ou falada) de outra pessoa, resolvem atacar os erros de português que continham em suas falas, como forma de desqualificar o conteúdo que o outro expressa. Isso para mim diz muito mais sobre quem critica do que sobre quem é criticado, e a mim ao menos demonstra além de falta de objetividade de quem ouve/lê (pois mais importa o jeito que se grafou a palavra do que o que ela representa) é falta de empatia pelo outro. Quem nunca ficou nervoso e trocou as palavras, digitou mal, não enxergou direito e mandou uma mensagem adiante? E se a pessoa realmente teve problemas de alfabetização, não tem uma boa noção do que escrever dentro da norma culta e cometer uns erros ao escrever e falar? Seu discurso foi invalidado porque não colocou hífen, trocou S por C? E se a pessoa tem dislexia? E se...?
Acho isso de uma empáfia tremenda. Acho que excetuando alfabetizadoras em relação a seus alunos, mais feio que errar, é corrigir os erros de ortografia alheios ou desconsiderar o conteúdo escrito pelo erro. 

Tuesday, July 01, 2014

As nossas tolas inseguranças linguísticas

Então eu estava lendo outra coisa aqui, sobre alguém que mora na França, e pensei em algo curioso que me ocorreu nessas últimas férias. Como o Brazil inteiro sabe, viajei completamente sozinha, o que foi interessante e revelador, e além disso me propiciou conhecer umas pessoas novas. Aliás, boa ideia de post: as pessoas que conheci.
Bom, evitei os brasileiros de forma obsessiva, em primeiro lugar porque somos feito gremlins e brotamos de todos os cantos, e também por motivos de: com brasileiros falo no Brazil, e vou treinar meu espanhol. 
Daí eu fui para a casa de meus amigos, um casal de brasileiros, que moram com outros dois colombianos, e curiosamente, diante deles... travei de usar meu espanhol recentemente incrementado. Vergonha de errar, talvez? Nem sei, fato foi que apesar de todo mundo (os estrangeiros) dizer que meu espanhol ia bem, e mesmo meus amigos brasileiros comentarem que na verdade eu tinha bom vocabulário e tudo mais, assim como o meu 'sotaque' era bastante brasileiro, eles entraram em nóia se perguntando se eles também não tinham o mesmo sotaque. Gabito, um de seus amigos, em minha opinião fala um português bem razoável e compreensível, com bom vocabulário, mas claramente com sotaque estrangeiro. Foi ali que descobri que existem sotaques brasileiros também, quero dizer, em relação ao espanhol.
Mas nem isso me fez descontrair, e foi assim que junto com meus amigos brasileiros travei e retrocedi ao portunhol e mesmo português total. 
Engraçado, todos os portenhos queriam treinar seu português comigo. E eu queria treinar meu espanhol com eles. Com Gabito combinamos que faríamos assim: ele me falava em português, eu respondia em espanhol e assim cada um se satisfazia. Foi interessante, embora não sei se serviu para nos incrementar nos conhecimentos de língua estrangeira!

Coisas que não faço e acho paia quando fazem

Parabenzes genéricos, formais e cheios de mensagens motivacionais do tipo: tudo de bom, muita saúde e realizações, lacônicos 'parabéns!', e outras coisas do tipo.
Sério gente, não estarei ficando deprimida caso vocês não deixem recado na minha timeline. E é também por isso que não deixo quase na de ninguém, na verdade por isso, e também porque eu nunca olho o campo dos aniversários, e também porque caso se tratem de pessoas especiais, deixarei um recado minimamente personalizado. Apenas quero mencionar que não me sinto mais amada e aceita no mundo com parabenzes genéricos.
Isso não significa no entanto que não apreciei aqueles que recebi e realmente eram bonitos. Eu podia até ranquear né? Aqueles assim que ficam mais maneiros!
Dos adjetivos a mim atribuídos: gostei de colorida e gostei de menina. Tenho 30 mas o povo me chama de menina. Sempre falam que sou alegre, porém nem sei se isso procede. Acho que sou apenas uma pessoa palhacinha. Também gostei de uma mensagem de determinada amiga minha que me disse para qualquer hora dessas, tomarmos um chá com bolachas. Original, adequado à nossa idade, interessante. 
Estranhei e senti falta de ganhar algum livro de presente. Acho que eu mesma me darei algum, caso me sobre um tostão - na verdade, eu me comprei uma saia de presente, pela internet. E custou caro. E eu quero ver se me compro o box de todas as temporadas de Sex and The City, melhor seriado desse mundo ever. Te amo, Carrie.
Em breve, farei um relatório pormenorizado das comemorações e o inventário dos presentes. Bem como o fictício ranking das melhores mensagens.

A lenda de Rudá, o Deus do Amor

Tempos atrás tive que tomar conhecimento dessa lenda indígena, assim, me contado por transmissão oral - como aliás ficamos conhecendo tantas e tantas histórias e lendas. Fui atrás de ler sobre ela e achei o seguinte:

No começo havia a escuridão. Então nasceu o sol, Guaraci. Um dia ele ficou cansado e precisou dormir. Quando fechou os olhos tudo ficou escuro. Para iluminar a escuridão enquanto dormia, ele criou a lua, Jaci. Ele criou uma lua tão bonita que imediatamente apaixonou-se por ela. Mas, quando o sol abria os olhos para admirar a lua, tudo se iluminava e ela desaparecia. Guaraci criou, então, o amor, Rudá, seu mensageiro. O amor não conhecia luz ou escuridão. Dia ou noite, Rudá podia dizer à lua o quanto o sol era apaixonado por ela. Guaraci criou também muitas estrelas, seus irmãos, para que fizessem companhia a Jaci enquanto ele dormia. Assim nasceu o céu e todas as coisas que vivem lá. (fonte)


Fico aqui elucubrando sobre tudo o que o sol criou para poder amar de maneira plena: as estrelas, o deus mensageiro, e que tipo de mensagens que mandava para a lua. Se enaltecia sua beleza quando cheia, ou se quando minguava, e de que forma que esse mensageiro transmitia esse amor. O mensageiro que leva mensagens de beleza, de amor, de luz e de escuridão me deixa hipnotizada por sua doçura - de olhar, de carregar as mensagens pelo mundo afora, de viver nas nuvens e de brilhar mais que o sol, mais que a lua, de ser suave como as nuvens, de trazer a chuva junto consigo e de ser uma fonte de calor inesgotável. Aquece o corpo e a alma com palavras, gestos e mensagens, sorrisos de material cintilante e olhos pretos de bondade. Olhos de generosidade e de calor. Do mensageiro do amor!

Blog Archive