Total Pageviews

Monday, November 25, 2013

Projeto Money For Nothing: Semanas 5 e 6

Não sei se alguém estranhou, mas eu fiquei duas semanas sem falar do Projeto! Um pouco, porque a vida me demoliu, mas outro pouco, provavelmente, porque derrapei em algumas curvas. É mais difícil escrever sobre aquilo que a gente errou, né?
Mas de qualquer forma, quero relembrar a penúltima semana, aquela em que eu teria uma pequena viagem aqui por perto. Naquela semana, dois dias antes de viajar, sucumbi ao canto da sereia do instituto de depilação, que faz tudo tão rapidinho e com tanta competência. Sim, eu gastei R$31 fazendo depilação, e saí de lá com vontade de voar. São muito bem empregados esses R$31, não posso negar. Por culpa, fiz apenas aquilo que não consigo fazer sozinha, a virilha, e continuo fazendo meia-perna sozinha (fiz ontem, maior meleca). Na mesma semana, magoada com um resultado insatisfatório na pesagem semanal, acabei chamando uma pizza pelo telefone, e mais R$25 se somaram ao deslize. Dali por diante, já era sexta-feira e eu ia viajar na manhã seguinte para a Guarda, num final de semana de aniversário. Quanto a esse dia, parabéns para mim, que não só não ultrapassei o orçamento previsto, como me mantive abaixo dele! Passei longe de barzinhos, lojinhas de quinquilharias e outros quetais. Até o presente da minha amiga entreguei só na segunda-feira, quando passei no lugar em que ia comprá-lo no vale (não se preocupem que não dei uma coisa absurda de supermercado, comprei um girassol lindo de um mercado que tem uma oferta de flores bastante consistente por aqui).
Naquela semana ainda, não consegui resistir a sair para jantar com uma amiga, a mesma que ia comigo para São Paulo, comer um rodízio de sushi. A gente queria falar da viagem, comer um sushi, enfim, descontrair, sabem? E lá se vão mais R$58 nessa brincadeira... No dia seguinte, era aniversário da menina, e por ter uma reunião e por já ter saído na noite anterior, acabei deixando de ir na comemoração. Não foi exatamente um problema, porque eu tinha dito que talvez não fosse, porque a gente passou o feriado juntas em São Paulo, mas eu penso que se fosse para gastar dinheiro com uma saída naquela semana, fiz isso no dia errado!
Daí por diante, vem a orgia gastronômica e etílica na paulicéia desvairada. Tempos antes, eu havia definido quanto ia gastar com cada coisa na viagem, e certamente eu ultrapassei em mais de 50% a previsão inicial, juntando certa ingenuidade sobre os preços praticados lá e um pouco de fé excessiva no meu autocontrole. Resultado final: feliz, cheia de comidinhas e mendiga!
De posse do arrombo financeiro de São Paulo, passei por uma semana praticamente incólume, que foi essa última, em que consegui não cometer mais nenhum deslize, embora tenha feito um gasto aqui e outro ali com coisinhas como uns sanduíches de uma amiga (que estava vendendo para juntar dinheiro), e um jantar para comemorar a defesa da dissertação de um amigo de mais de dez anos. Teve ainda o aniversário de um outro amigo no sábado, mas foram todos eventos de ‘baixo impacto’, com contas baixas, menores de R$20. Na sexta de manhã, acordei sem tela do computador – enfiei algo entre a tela e o teclado e o cristal líquido se foi, me levando a mais uma paulada de R$400 para não ficar incomunicável nunca nessa vida. Em alguns momentos, percebi que havia perdido o controle das coisas, não no sentido de gastos muito altos, mas no sentido de que parei de pensar 3x antes de gastar.
Resumo da lambança: orçamento previsto para essas três semanas era de R$600 e o gasto foi de R$1.124! Mais que o dobro! Shame on you, Thais.
Eu já tinha noção de que as coisas haviam saído muito do planejado, mas fazer as contas sempre é uma revelação mais dura. Escrever o número torna tudo ainda mais complicado, você ter que admitir para as pessoas em público torna tudo ainda mais complicado. Que bom! Porque assim, eu consigo fazer uma semana diferente, sem vacilar, porque não é legal escrever sobre isso.
Aprendi com essas três semanas que eu tenho muita dificuldade em dizer não quando as pessoas me convidam para fazer alguma coisa, que sempre penso na lógica do ‘eu mereço isso’ e vou lá. Também aprendi que em viagem isso se potencializa muito, pela vontade de aproveitar ao máximo as coisas que o lugar oferece e por achar que a ocasião merece (e merece mesmo). Por fim, compro muitas coisas apenas porque elas estão ali, principalmente se tratando de comida. Lá na Guarda, eu havia previsto que gastaria uma quantia com comida e bebida na beira da praia, e ao chegar numa praia em que não havia isso, eu simplesmente não comi e nem bebi. E como podem imaginar, não morri de fome por isso. Já ontem, mesmo tendo levado algumas coisinhas para comer, quando vi um misto quente sendo vendido, comprei, apenas porque ele estava ali. Isso até acontece com outros objetos, como roupas por exemplo, mas é muito minoritário em minha vida. O que eu não posso ver na frente, mesmo, é comida. Sempre acho que comer vale a pena o gasto. Problemas de peso não vieram parar aqui nesse corpo ao acaso, e nem vieram aqui por meio de coxinhas de promoção (2 coxinhas mais 1 capilé por R$1,50). Cada kilo em excesso nesse corpo chegou aqui por uma história incrível de um lugar incrível com um ingrediente igualmente incrível do qual nunca me esquecerei. E eu não tenho a menor intenção de abrir mão dessa relação. Só preciso limitá-la até um ponto em que não represente mais problemas de saúde nem financeiros para mim.

Assim que a semana recomeça. Não há nada previsto para acontecer de eventos sociais, o que é excelente, mas o verão vai chegando e eles vão surgindo, estou deveras ciente disso. Mas apenas nessa semana, só por essa curta semana, quero fazer diferente. Estou trabalhando na praia por esses dias (beijos, repartição), e dormindo fora da minha casa. Aniversário de mais um amigo na sexta-feira (mas como eu ando com gente que faz aniversário nessa época!). Vontade de chamar o menino pra sair. Um presente de Natal por comprar ainda (pretendo fazer isso com antecedência). Orçamento previsto para a semana: R$50. Oremos!

1 comment:

Maria said...

Organizar as minhas finanças também faz parte da minha mudança de vida!
Vim espreitar, gostei e vou seguir por aqui também!
Bjs
Maria

Blog Archive