Total Pageviews

Thursday, March 14, 2013

Thais, uma pessoa que padroniza!


Aqui na repartição tem 4 elevadores. Grandes, amplos, climatizados e velozes. Isso, no mundo dos elevadores é ótimo. Ele está, numa escala de 0 a 5, no 4 dos elevadores – porque elevadores com música (decente) e mocinha eletrônica anunciando 'quin-to-an-dar' ganha, vocês sabem.
Dentro do elevador tem um pequeníssimo mural, com o número de telefone para o qual as pessoas devem ligar se tiverem problemas nele. Foi instalado um recipiente de acrílico bem estreitinho, para preservar o papel. Nunca me chamou a atenção.
Até que uma alma sem luz decidiu que na falta do que fazer, ia desgraçar com a minha vida, minha concentração, minha dignidade, minha pouca auto-estima e minha saúde mental. Sim, porque não consigo imaginar explicação melhor que essa para a intenção desse espírito de porco, que não: odeio a Thais e vou provocá-la aqui no elevador. No quadrinho da emergência.
E como essa pessoa fez isso?
Jogando um maldito clipe no maldito quadrinho do elevador do meio. Sim, o espaço é fininho, mas cabia  um clipe ali! E alguém jogou. Isso já tem um tempo, sabem, e eu sempre que podia evitava aquele elevador. Mas quando tinha mais gente olhando, ficava com vergonha de não ir no elevador e lá íamos nós, eu e o quadro violado de acrílico, nos fitando com um ódio recíproco e excruciante.
Um dia qualquer eu resolvi que aquilo me incomodava tanto que eu não podia mais conviver com a existência daquele clipe, e então mandei um torpedo para o engenheiro meu amigo e colega de repartição: me liga. URGENTE.
Ele me ligou muitas horas depois, preocupado, querendo saber o que me afligia. Quando contei que era isso, ele riu bem-humorado e disse:
- Ah Thais, tem mesmo? E te incomoda assim, é? Faz o seguinte, puxa ele passando um ímã pelo lado de fora!
E pronto, não? Imaginem eu, espreitando o elevador, esperando ficar sozinha nele e ficar lá, passando ímã puxando o metal pra fora. Sim, eu também imaginei e o senso de ridículo falou mais alto. Resolvi que ia continuar evitando o elevador.
Mas o meu amigo não era tão meu amigo assim. Decidiu contar para os nossos outros amigos dessa minha estranha (só pra ele, humpf) indignação. Sabe o que eles fizeram?
???
???
???
Atucharam de clipes o outro elevador do meio.
Bem, eu não ando mais de elevador. Mas quando estirei o ligamento do joelho, voltei a usá-lo, sempre os das pontas. Agora há pouco, no entanto, solucionei o problema: contei quantos clipes eles colocaram em cada elevador e padronizei. Todos têm a mesma quantidade!
Suspiro de alívio... :) 

4 comments:

Bah said...

ahaha elevadores podem ser perigosos rs

Kisu!

Anonymous said...

kkkkk....rindo mto! Adorei a história!!!

Neanderthal said...

Menina!!!
Esquecí o nome que os médicos dao a isso!!! isso me lembra uma amiga que se pisasse em uma rachadura no chão com um pé, tinha que achar imediatamente outra pra pisar!
Que aflição! Dava vontade de sair arrastando ela pelas ruas quando empacava!
Beijos

Nay said...

Me sentindo mais normal, beijos!

Blog Archive