Total Pageviews

Saturday, December 29, 2012

Tentativa de retrospectiva

Então 2012 lá vai-se indo, e eu continuo por aqui. Sumi do blogue, é verdade, mas apareci na praia, na vida, e por isso, pouca internet. Hoje bastante internet, porque desde quinta-feira iniciou um processo de esfriar e o tempo ficar feio. Hoje estou sozinha aqui com Billy e lembrei de entrar na internê e ver o que tem acontecido por essas bandas. Como várias pessoas vêm fazendo, resolvi tentar fazer a minha.
Primeiro pensei em falar mês a mês, mas aí percebi que isso seria cansativo pra mim e muito mais pra quem lê, então optei por falar daquilo que veio com mais clareza em minha mente, aquilo que vai ficar sendo o que minha memória guardou.

Em primeiro lugar, um ano com muitos problemas de saúde, começando lá em janeiro e se arrastando até poucas semanas atrás: tive 12 dias de virose, descobri o refluxo, descobri a lesão na coluna, tive uma inflamação na ciática, voltei péssima de Buenos Aires, tive diversos problemas por causa da intolerância à lactose, e coisa que acho que cabe como um problema de saúde, fui sedentária e engordei nesse ano. Alguns problemas resolvi, outros não, mas o fato é que isso me marcou muito ao longo desse ano. Ainda sobre saúde, mas entrando num terreno mais pantanoso, ao ler o blogue percebi que sinto muito cansaço, muita preguiça, e que isso provavelmente tem conexão com esse meu estilo de vida, que convenhamos, não me tem feito bem.

Por outro lado, também foi um ano de muitas viagens, tantas que quase nem consigo lembrar de todas. Viagens curtas a passeio (como aquele mergulho em Bombinhas, lá em março), outras a trabalho (diversas, absolutamente diversas cidadezinhas do interior), viagens um pouquinho mais longas, como a Páscoa com amigos em SP capital, diversos feriados em São José dos Campos, os passeios ao litoral paulista, BH nas férias pra ver as amigas e as duas internacionais do ano, o mês na Europa com a família e o feriado em Buenos Aires outra vez com as amigas. Viajar renova a gente, é bom demais, mas também cansa, e sendo eu uma pessoa de consolidadas rotinas, fiquei um pouco confusa, confesso. Mas o fato é que viajei nesse ano provavelmente mais que viajei a vida toda, e isso é uma parte super positiva desse ano.

Nesse ano eu sinto que estudei de menos, não só para o mestrado, mas no geral: raramente li literatura ou qualquer outra coisa, sempre culpada por não estar trabalhando na dissertação. Senti que minha atenção estava sempre desviada para alguma outra coisa mais fácil, mais rápida, como por exemplo, os blogues. Tão mais rápido e fácil ler um post no blogue de alguém! Esse ano a internet foi usada em excesso, como já havia diagnosticado, e nunca andei tanto com esse meu blogue, nunca postei tanto. Nunca tantas pessoas leram e comentaram, e isso me deixou um pouco surpresa. Eu aprendi um monte de coisas pela internet, mas também desaprendi a construir o conhecimento que exige dedicação e disciplina.

Aconteceram diversas outras coisas que eu poderia listar agora, mas certamente essas três são as que considero mais importantes, e que tornam esse meu ano muito legal, mas com muitas dificuldades também. Tive problemas para me relacionar com o mundo lá fora, nas minhas relações pessoais, profissionais e políticas, e em muitos momentos, certa dificuldade em me sentir feliz, mas ainda assim, não posso negar que foi um ano excelente, com muitas novidades e com muitas pessoas e por aí vai.

E eu faço, sim, resoluções de ano novo, sou dessas. Vou escrever no caderno e conto já, já.

Sunday, December 23, 2012

Obrigada por isso, 2012

Obrigada por me proporcionar a indescritivelmente agridoce sensação de assistir o teu passado passando por aquela mesma porta que tantas vezes ele passou para te encontrar, onde tantas vezes e por tantas vezes passamos e involuntariamente ou não, também era o nosso encontro. Obrigada por me ter colocado naquela exata constrangedora situação que venho cuidadosa e minuciosamente evitando há tantos anos e que tão bem vinha funcionando, tudo absolutamente sob meu controle. Obrigada por ter feito passar pela exata mesma porta aquele rasgo imperceptível do futuro, já virando presente, e céus, que presente foi esse que o Universo me manda assim 48h antes do Natal? Obrigada ainda por me permitir passar, ainda, mais uma vez, pela mesma porta, e saber que estou nela pisando firme, porque independente de qual seja o tempo e do que ou de quem mais passe por ela, aquela é a porta pela qual eu tenho que passar, a porta que decidi entrar e assumir que foi de todas as portas que eu abri, a que mais me mudou e mais me interessa ver aberta, para mim e para tantas outras gentes!

Notícias da beira do mar




Depois de muitas e muitas voltas e de muitas confusões organizativas e de correrias sem fim, estou desde sexta-feira mandando notícias daqui da casa de praia. Fazem só 48h que entrei de recesso e estou achando tudo muito bem, já meti o pé na jaca sexta e ontem, tomei sol, e banhos de mar, e de piscina, e mais mil coisinhas típicas das férias. Tenho me divertido, descansado, lido (literatura!) e a internet ficou um pouco de lado, dentre outros motivos porque meu computador foi para a UTI mais uma vez e fica lá até quarta-feira. Estou recarregando as pilhas e fazendo muitos planos, todos muito sérios a serviço de um único objetivo: ser feliz!
Caso eu não blogue amanhã ou depois, Feliz Natal a quem aprecia tal data.

Friday, December 21, 2012

As armadilhas de nós para nós mesmos


Quem me conhece pessoalmente sabe que consigo ser razoavelmente comunicativa, esperta, agradável e até engraçadinha na maioria dos casos. As pessoas, vocês sabem, apreciam isso, e logo elas pensam que gostariam de ser minhas amigas e estar sempre comigo, para usufruir de tão agradável companhia.
Só que eu, ainda que seja essa pessoa em determinadas ocasiões e possa inclusive manter essa postura durante dias a fio, não sou sempre assim. Pelo contrário, sou uma pessoa bastante silenciosa, introspectiva e que gosta de ficar sozinha. Além disso, confesso com nem tanto orgulho assim, eu sou uma pessoa mal humorada e de pavio curto, que não suporta responder a mesma pergunta pela segunda vez ou que pode estourar rapidamente se se sentir provocada, baixando a adrenalina imediatamente após proferir duas ou três palavras irritadas. Então a pessoa que me amou naquela festa, naquele barzinho ou coisa do tipo, resolve que quer dormir em minha casa, ou morar comigo, ou conviver comigo cotidianamente, e descobre que aquele brilho todo da noite anterior virou uma lâmpada daquelas bem fraquinhas. E passa o tempo todo chocada, me perguntando o que houve comigo, quando foi que mudei tanto. E eu, cada vez mais irritadiça, me sinto pressionada a dar showzinho porque a plateia precisa de mais entretenimento.
É impressionante o tanto que as pessoas querem se entreter comigo. E o tanto que elas não aceitam que eu seja, além daquela do showzinho, uma pessoa que gosta de ficar sozinha e em silêncio. E elas custam mais ainda a acreditar que eu opte por ser assim – ao contrário dos tímidos, que não podem ser despachados e felizes, eu tenho a opção de ser despachada e feliz, e fico lá, sendo uma eremita.
Chata, não? Mas é a verdade, Brasil: me deixem em paz, não me liguem tanto, não me requisitem tanto pelo facebook, não exijam tanto de meus bons espíritos, let myself go!

Wednesday, December 19, 2012

É tempo de matar saudades

Mando notícias diretamente da capital mais charmosa do sul do Brasil - sim, estou em Porto Alegre! Fiquei anos sem vir, anos demais. Compromissos profissionais me trouxeram ao encontro das ruas que tanto me encantam e acho lindas, seu arzinho de centro antigo, suas pessoas de delicioso e chique sotaque, seus deliciosos restaurantes...e um longo etc.
Nunca mais pretendo demorar tanto a voltar. Tenho aproveitado cada minutinho livre, incluindo hora de almoço, para passear pelo centro, amar a cidade, dar um cheiro na minha querida amiga que há tantos anos não via, a ouvir as pessoas conversando (vibrando o R lindamente), e refletindo repetitivamente:
- que POA realmente é a melhor capital, porque além de ser uma linda cidade, tem ótimas pessoas;
- e que Floripa, pelo amor de Deus, nem ao menos se esforça. Sorte que tem 42 praias estonteantes...!
Vista da janela da minha repartição aqui no RS. Quanta beleza!
Na volta eu retomo comunicação, câmbio!

Friday, December 14, 2012

Excesso de pensamentos na cabeça gera:

Confusão tremenda e amnésia leve. Cortei o abacaxi, descasquei, estava doce-doce-doce, pus as cascas numa panela com água para ferver e ter chá de casca para mais tarde.
50min depois, acho uma delícia um cheiro adocicado, gostoso, que me invade a sala, que me lembra bolo com calda... de abacaxi!
Sorte que tinha muita água.

Tuesday, December 11, 2012

O cúmulo do non-sense

Pessoa trabalha na mesma repartição que eu, mas nunca me cumprimenta, tampouco interage comigo no serviço ou nada assim. Pessoa me adiciona no facebook, o que por si só já achei desnecessário, uma vez que a pessoa poderia ser minha 'amiga' pessoalmente e nunca se esforça para tal. Mas aí, pessoa, quando nada mais poderia ser estranho, me aborda:
- Posso te pedir um favor?
- Claro (pensando em algo totalmente profissional)
- Então, é que sábado vou bater as fotos da minha formatura, e é obrigatório usar vestido branco, acredita? Mas só que eu odeio vestido branco, e não queria gastar com isso só para as fotos. Já te vi usando vestido branco aqui, então pensei, você poderia me emprestar?
!!!
!!!
!!!
!!!
!!!!!!!!!!
Como as pessoas não têm noção, mas eu tenho alguma e certa dificuldade em dizer não, disse que emprestaria, lógico, mas ainda meio chocada com o fato dela se sentir tão à vontade de me pedir algo assim.
À noite, como não bastasse, veio me lembrar no facebook para que eu não esquecesse de colocar na bolsa o vestido, ó que simpática?
Minha praga no entanto foi tão forte que o vestido ficou curto para ela. E teve que comprar um. Bem-feito!

Historietas de Millhouse

Ele andou quieto uns tempos, eu andei muito sisuda e sumida. Mas desde semana passada ele vinha me rondando: um dia eu ia indo para o banheiro pelo corredor, e ele, mais que veloz, também veio, e ficou puxando assunto: tudo bem, como vai o mestrado? E eu bem, bem (sem nem olhar pra trás ou esperá-lo para andarmos lado a lado pelo corredor que nos levaria ao banheiro)...
Ontem vim direto de meu convalescimento na casa de praia, por isso, com um vestido que tenho para usar lá, muito simples e sem nenhum detalhe especial - e vermelho. Bem, enquanto Millhouse ficava tomando seus eternos cafezinhos com algum coleguinha, fui encher minha garrafinha de água, dei boa-tarde a ambos e estava ali, quando ele solta:
- Thais ficou bonita de vermelho!
- Obrigada (sem nem olhar para trás)...
- Loiras ficam bonitas de vermelho e verde...
- hã-hã-hã (disparando com garrafinha semi-cheia).


Millhouse além de tudo demonstra senso fashion. Quem compra?

ps - resolvi que para alimentar a coluna Historietas de Millhouse aqui do blogue, voltarei a ser simpática com ele.

Jingle Hell

Quando vai chegando mais perto do Natal vou sempre me perguntando se de repente romper definitivamente com as Festas não seria um prejuízo menor que me aborrecer com isso todos os anos. Talvez no primeiro minha família ficasse muito brava, mas quem sabe nos próximos esse primeiro prejuízo não "se pagasse", com minha libertação do Natal? 
Consegui me ajeitar com minhas compras de Natal quase todas. Só falta o presente de meu irmão, que se der sorte resolvo até o final da semana. O resto está comprado e embalado, suerte. Esse ano comprei tudo no início do mês, mas ano que vem (se eu não romper com o Natal) vou tentar fazer aquela história de ir comprando um a cada mês. Só falta entubar a Ceia (céus, como pode uma ceia não ter absolutamente nenhum prato que eu goste?) e ser feliz no meu recesso.

Monday, December 10, 2012

As correrias de dezembro

Mesmo sem procurar sarna para me coçar, os próximos dias serão o seguinte:

AMANHÃ: trabalhar das 10h às 17h, reunião 17h30, buscar amigo no aeroporto 19h30, fazer sala para o amigo;
QUARTA-FEIRA: viajar às 8h da manhã, ir direto para o trabalho assim que chegar (sem chance de almoçar), ir para o hotel às 18h;
QUINTA-FEIRA: fazer visita técnica às 8h, visita social ás 10h, sair do hotel até as 12h e viajar novamente às 14h30 (almoçar com mochila nas costas);
SEXTA-FEIRA: trabalhar das 10h às 17h, fazer sala para o amigo (chegou terça, tadinho, lembram?) e preparar mala do final de semana;
SÁBADO,DOMINGO E SEGUNDA: fora da cidade, lá em São Sebastião (litoral paulista);
TERÇA: aeroporto de manhã cedo, rumo a Porto Alegre, com mochila e tudo, para um curso;
QUARTA: curso o dia todo em Porto Alegre e reencontro com amiga;
QUINTA: curso o dia todo, com mochila e tudo, e retorno a Florianópolis;
SEXTA: trabalho das 10h às 17h, depois recesso...!

Nesse meio-tempo, preciso arrumar um jeito no meio da semana de: buscar minhas lentes de contato que estão prontas lá no centro da cidade, comprar o presente de Natal do meu irmão, fazer depilação antes da praia, embrulhar o presente da Wal, arrumar a casa para o amigo, postar um presente pelos Correios e não cair doente outra vez. Socorro!

Desafio semanal: unchecked

Nem perto, even close de tê-lo cumprido: logo que o impus, caí muito doente e fiquei muito no computador, vendo seriados estaticamente, porque doía demais até digitar. Nessa semana, tenho muito o que fazer, e me parece que vou conseguir mesmo sem querer ficar longe da internet.
Desafio semanal: mantido para essa semana.

Azar, azar

Tive dias um pouco miseráveis nesse final de semana, mas o que me deixa mais fula da vida é que justo hoje eu me sinto melhor. Não 100% melhor, diria que uns 60%, mas melhor o suficiente para poder vir trabalhar! E assim, perdi o domingo lindo de sol que fez ontem...

Saturday, December 08, 2012

The Big Bang Theory: quando o autor cruzou o limite

Ontem eu já estava na casa de praia, deitada, deprimida e adoecida, quando lembrei que sexta é dia de episódio novo de The Big Bang e baixei. Confesso que fui rindo descontroladamente com as loucuras da Amy para conseguir colocar um contato físico a mais na relação dela com o Sheldon, e fui indo bem, até que chegou na última cena. Indignado com a mentira dela, Sheldon decide que aquela mentira precisa ter alguma consequência, e ambos começam a listar eventuais punições para ela, até que Sheldon sugere, ainda que considere antiquado, o castigo físico. Amy, mais que depressa, concorda, e assim eles ficam combinados de que ele vai lhe dar umas... palmadas corretivas. E sim, mostra a cena, da primeira palmada, Amy adorando, Sheldon dizendo que ela precisa achar ruim e ela dizendo que ele precisa bater mais forte. Então aí a cena corta, com ela recebendo a segunda, bem mais forte, e fazendo uma carinha de prazer.
...
...
...
Não sei, mas pra mim, de verdade, não tem graça nenhuma. Não se tratava de um contexto sexual em que ambos tinham acordo quanto à prática e o que queriam com ela, mas sim, de uma situação em que Amy se finge de punida para obter aquilo que quer, e Sheldon, sem saber que está lhe dando prazer, a agride, buscando com isso educá-la, da mesma forma que seu pai, aquele brucutu texano que ele menciona quase sempre de forma traumática, teria feito com seu irmãozinho. Se tratava, portanto, de uma situação em que a punição física era legítima, como algo feito a causar dor na namorada dele, como punição. Sério mesmo, qual a graça disso?
Na boa, Amy e Sheldon são muito engraçados sem ter que se usar desse tipo de expediente, e sinceramente, na minha opinião, o roteirista cruzou a tênue linha do aceitável com essa cena. Se vou continuar assistindo o seriado? Não sei, mas creio que provavelmente sim. Hoje eu não conseguiria, ainda com a memória tão fresca. Para mim, algo de fundamental se perdeu ontem, com essa fronteira tão sutil do mau gosto tendo sido avançada. Esse seriado nunca precisou disso (não canso de me repetir). Que merda foi aquela (não canso de me repetir)?
Eu não merecia isso na minha sexta dodói!

Notícias do leito

Sigo acamada, desde ontem às 19h. Saí da repartição arrastando as chinelas, passei em casa, peguei notebook e vim-me embora para a casa de praia. Ontem ainda me sentia incomodada com o nariz, ouvidos e garganta trancados, só que sem muco. Conversando com algumas pessoas, me disseram que isso era alergia. Ao antialérgico, então. Tomei, e às 6h20 da manhã me encontrava acordada. Como não me sentia disposta, voltei a dormir, acordando outra vez às 11h40. Dessa vez era sério: tomei banho e fui às compras, com uma singela novidade: sem mais acessos de tosse seca, nariz entupido, mas de muco. Verde. Isso é um resfriado agora!
Como com isso sei lidar, comprei laranjas, limões, limas, gengibre, artigo para sopas, muito alho e é isso. Mais algumas horas deitada, e tudo indica que em breve estarei novinha...para me enterrar na repartição. Se amanhã não sentir nenhuma melhora, vou ao plantão. Mas acho que esse processo aqui tende a só melhorar.

Friday, December 07, 2012

Das coisas belas de se contemplar no MNBA

Como tínhamos pouco tempo, só poderíamos visitar um museu dessa vez, e a crise era grande. O MALBA eu ainda não conhecia, mas estava há muito cobiçando uma visita, porque ele tem... um auto-retrato da Frida lá. Dia desses ainda rolou uma exposição da Beatriz Milhases, mas essa já teria acabado quando chegássemos. Mas gente, auto-retrato da Frida, como não querer?
E o MNBA, por sua vez, tem uma coleção bem interessante de vários artistas importantes, embora nenhuma das obras seja a sua obra-prima. Posso estar falando besteira, mas a impressão que me dá é que resolveram mirar baixo e comprar as obras "não-tão-importantes" de diversos artistas e com isso fizeram uma coleção admirável. Tem Van Gogh, Gauguin, Goya, El Greco, Monet, Manet e outros que eu nem lembro, porque confesso, não sou tão conhecedora assim desse tipo de arte. E o MNBA, no caso, não paga, e no caso, era perto de outras coisas que queríamos visitar. Ao MNBA (que já conheço), entonces.
Só eu enxergo que a perna esquerda é de um homem? E fico intrigada com o pedaço de pano na perna direita, sabendo que não existiam cangas naquela época, e pensando se aquilo seria um vestido? E acho que o branco das ondas, na água, parecem flores?
Fiz um tour virtual pelas galerias e marquei onde ficava o Gauguin e o Van Gogh. O resto eu admiraria conforme fosse possível. Engraçado que eles ficam na mesma sala, o Van Gogh no corredor e o Gauguin ali dentro. Fui até o final da exposição, não quis ir ver Caravaggio e seus seguidores (depois de 1 mês na Itália, arte sacra, zzz...) e fiquei sentada no banco em frente ao Gauguin esperando as pessoas terminarem de visitar o museu. Nesse tempo de contemplação, descobri detalhes da obra que nunca tinha parado para observar, e fiquei ali, intrigada, transportada para dentro daquela cena nas ilhas Caymã (é assim que escreve?), numa época atrás. Dia desses eu li 'El paraíso en  la otra esquina', do Mario Vargas Llosa, que conta a história do Gauguin misturado com a história de sua avó, Flora Tristán. A vida dele, preciso admitir, foi mais legal. Ele se divertiu bem mais. Na boa, Gauguin era meio putão (com o perdão da palavra). Foi muito legal a visita, de qualquer forma. Mas da próxima, sem erro, eu vou lá ver a Frida.

Atualização da tosse

Deu uma modesta aliviada, com o xarope antialérgico que ainda estava por aqui, mais uns gargarejos de água e sal e o triplo de água que ando bebendo (olhe que eu já bebia muito mais que 2l por dia). Com todos esses operativos, o ranho de branco alérgico passou para verde-gripe, o que considero de certa forma um avanço, mas não tenho bem certeza.

Reflexões de dezembro

Dezembro entrou rasgando pela minha janela, bafejando o seu calor por todas as frestas desse apartamento. A partir de ontem, é oficial: só durmo com ar condicionado e, mesmo agora, às 7h da manhã, eu já o deixo ligado, porque nada é possível de ser feito nesse calor intenso. A conta de luz já mandou beijos, mas como eu tomo menos cerveja, posso gastar mais com luz (eu acho).
Como faz pra gente se livrar do cupim com asas que enoja minha casa toda?

Thursday, December 06, 2012

Ver-o-peso

Objetivamente: 71,950kg. Eu vou e volto desses 72kg num looping eterno, e nunca entendia o que era o tal do efeito sanfona...

Cooof

A garganta estava irritada, então eu comecei a tomar anti-inflamatório (para a coluna, mas se atuar na garganta melhor, né). Então ontem eu comecei com uma tosse seca, daquelas persistentes, que me deixa vermelha, lacrimejando, exausta. Até enxaqueca tive ontem, de tanto tossir. Dormir não foi fácil, e hoje, apesar de parecer um pouco melhor, já tive uns três acessos de deixar as pessoas com medo. Vou ali fazer um gargarejo de água e sal e já volto.

Wednesday, December 05, 2012

Crise de Natal

Não sou uma pessoa muito de Natal, sabem, mas entre essa e outras, prefiro o Natal. Não acredito no sentido religioso da festa, tampouco me sinto bem com essa obrigatoriedade de presentear pessoas nesse dia, acho as comidas de Natal muito pesadas para o verão brasileiro, mas não nutro aquele ódio xiita que faz com que algumas pessoas rompam com as comemorações e tudo o mais. Até fizemos uma árvore de Natal em casa nesse ano, e já iniciei a compra dos presentes, um deles já está inclusive embrulhado.
Então eu preciso presentear o meu pai, e vocês precisam entender que meu pai é uma pessoa que tem absolutamente de tudo, e quando se interessa por algo novo, pode comprar na hora, o que torna as coisas bem difíceis. Também não posso gastar tanto, pensei em pagar entre R$30 e R$50,00 no presente dele, mas está difícil de imaginar o que posso comprar. Já dei livro no ano passado, no anterior dei um DVD de futebol, no aniversário dei um travesseiro de pescoço daqueles de viajar no avião. Enfim, alguém sugere? As coisas que ele sempre usa e/ou gosta e pensei em comprar algo no estilo:
- ele torce para o Flamengo (poderia dar algo do time)
- ele usa camisetas pólo (mas por menos de R$50,00 não sei se compraria uma legal)
- ele eventualmente pesca com vara
- ele toma muitos vinhos (mas todas as pessoas sabem disso e o presenteiam com vinhos ou acessórios relacionados ao tema)
- ele faz churrascos em casa (pensei em dar algum acessório, mas até R$50,00 seria algo de qualidade inferior)
- ele não escuta muito CD (ele compra as músicas para o tablet)

Quem sugere?

Regalitos en Buenos Aires

Sabe uma coisa que achei o máximo nessa viagem? Fui em dois lugares diferentes no mesmo bairro (Palermo Viejo) e em ambos nos deram taças de champagne de cortesia!
Uma foi no restaurante que jantamos (aliás, preciso muito passar essa dica), outra foi na boate que fomos para dançar. Achei tão chique! E tão legal ganhar uma bebida de cortesia! Obviamente não era o melhor champagne do mundo, mas era bem honesto, e é um gesto super gentil!
Por isso que Buenos Aires me serviria como residência. Quer dizer, não só por isso. Mas isso me ajudaria a definir as coisas também, sabem?

Uma divisão colaborativa

Pensando nessa história de sorteio enquanto fazia o almoço (um curry de peixe com arroz integral), tive um pequeno insight, que não tem a ver necessariamente com sorteio, mas que me ocorreu ser talvez uma boa ideia.
Essa cesta aí é a minha cesta de condimentos secos, abarrotada de forma irremediável, porque não posso ver nada diferente que trago embora. E ao contrário de outras coisas, eu uso muito meus temperinhos, mas mesmo assim, não a ponto de acabar com eles rápido. Resolvi oferecer aqui no blogue um tanto de temperos, para que mais gente possa colocar sabor em suas comidas, e meus temperos não se estraguem. A pessoa receberia diversas pequenas porções de coisas como pistaches, avelãs, pimentas mexicanas, páprica doce e salgada da Hungria, mostarda e gengibre em pó da china, sementes de papoula de Paris, tempero basílico pronto da Itália, flor de sal nem lembro mais de onde, etc-etc...
Creio que poderia dividir para que duas pessoas recebessem as coisinhas sem prejuízo da minha cesta de temperos.
A princípio, não pensei em fazer disso um sorteio, pois são coisas que vou dar de qualquer maneira, e no geral ofereceria para amigos 'presenciais', mas hoje me deu vontade de oferecer aqui, a vocês. Se alguém se interessa por condimentos tanto quanto eu, pode se beneficiar da minha cesta de temperos.
Se ninguém quiser, mando pros amigos. Se duas pessoas quiserem, mando para as duas. Se mais de duas quiserem, aí sim, a gente sorteia... Mas ainda não é o sorteio oficial! É só pra ir dando um gostinho (literalmente).
Me digam? Quem quer um kit de especiarias? Comentem!

Um presentinho a mais no meu Natal :)

Então eu, que havia desistido de participar de sorteios e tudo o mais, e de fato nem olhava mais quando aparecia algum, me "inscrevi" no concurso do blogue Neanderthal e ganhei o livro! Clap-clap-clap...
Eu adoro ganhar livros, de verdade. Adoro ganhar qualquer coisa, isso é tão legal! Fiquei toda feliz!
Achei engraçado que ontem postei sobre um conhecido sem-noção que me pediu um alfajor na cara de pau, e no caso, ganhou. E Cristiano e Taís ficaram pedindo um de sorteio. Meio que de uns tempos pra cá temos visto sorteios assim mais íntimos, entre as pessoas que sempre comentam e acompanham os blogues da gente, né?
Resolvi que vale a pena fazer um sorteio também. Mas, todas chora, não vai ser dos alfajores argentinos que eu trouxe, porque esses, lamento informar, estão comprometidos até o último. Pensei em alguma coisa específica da cidade que nasci, Joinville, tem algumas guloseimas alemãs que são bem gostosas... Mas também poderia ser algo relacionado à minha Ilha, algo mais para as pessoas aproveitarem a praia (sorteio o direito a me visitar no verão, quem sabe?rs), tipo uma bolsa ou toalha legal... Poderia ainda ser um livro, mas também poderia ser... ai!
Já viram, né?
Resolvi amadurecer um pouquinho a ideia, mas fiquei tão feliz com o resultado do sorteio e foi bem junto com os comentários do sorteio que resolvi elaborar mais sobre isso! Quem viver, verá.

Notícias do leito

Então aquelas poucas horas sem dormir, associadas a refeições nem sempre boas, ao álcool em quantidade bem maior do que costumo beber e a caminhadas de coisa de 5,6h sob o sol de Buenos Aires passaram recibo: não falo nem escuto. Ouvido e garganta dizem que querem mais respeito e me fizeram ontem passar o dia em casa, repousando, dormindo quase que a tarde toda. Foi bom, mas foi breve. Hoje retorno aos meus afazeres e cuido para não piorar a situação.

Tuesday, December 04, 2012

Agora sim, o inventário das compras

Bati essa foto domingo, mas na verdade ficaram faltando diversas coisinhas que também tinha comprado e estavam escondidas nos cantinhos das malas. Minha maior vontade era comprar uma camiseta da seleção Argentina (pirata, by the way) porque torço pra eles em eventos do tipo futebol mundial. Aí não resisti e levei a I Love, que estava baratinha, e junto com mais uma pantalona de seda prata (pela bagatela de 60 pesos), essas foram as peças de vestuário. Comprei um lindo colar de miçangas, que assim que sair por aí com ele, mostro uma foto, porque ele merece aparecer! No freeshop dei uma garimpada na loja da Victoria's Secrets, mas não tinha os sabores dos cremes que eu gosto e nem a bolsa que eu queria, então saí com minha miniaturinha de perfume (levo para viajar) e um iluminador apenas. No outro lado, comprei um torrone espanhol, um lipstick da L'occitane e um presente para alguém. Frugais, minhas compras. Evitei conscientemente de ficar entrando em todas as lojinhas que me pareciam interessantes, mais por economia de tempo do que por economia de dinheiro.  No caminho, no entanto, saí com esse calendário lindo da Mafalda, com um dia por página e uma tirinha por dia do ano, porta-copos com suas tirinhas e os doces. Um vinho apenas (o peso é de 23kg, como nos vôos domésticos) e um ou outro regalo para alguém. De qualquer forma, quem tiver esse objetivo na vida, pode gostar de fazer compras em Buenos Aires, ainda que não seja mais tão absurdamente barato como antes. Fiz as contas e percebi que me mantive dentro do limite estipulado, soltem os fogos!

Monday, December 03, 2012

Desafio semanal


Pensei, pensei e passei muito tempo pensando hoje (aliás, desde ontem) sobre alguns aspectos da minha vida. Viajar nesse final de semana me deu uma espécie de virada de chave para algumas coisas que tenho feito, e me fez sentir vontade de fazer diferente. Vou falar mais sobre isso uma hora dessas, não agora.
Essa semana vou pegar um pouco pesado no desafio e fazer algo que já deveria estar fazendo há muito tempo: vou diminuir o uso da internet em casa. Atualmente, esse uso é de aproximadamente 5h por dia, embora não intermitentemente. A maior parte do tempo, não estou fazendo nada de produtivo, estou vendo séries e lendo blogues (vocês não têm noção de quantos blogues eu leio), e peguei esse costume de apagar as luzes, deitar com o notebook e ficar lendo até dormir. É essa hora, bem específica, que quero eliminar, desligando meu computador impreterivelmente às 21h, para voltar a me dedicar ao Dom Quixote como merece. De manhã, horário inicialmente reservado ao estudo, usarei o computador somente com o word aberto, para não me distrair. Passo, a partir de hoje, a só abrir e-mail às 9h30 da manhã. Se me sair bem, pretendo diminuir ainda mais, progressivamente. Vai ser difícil-médio, mas acredito que sou capaz.

Só eu achei isso estranho?


Então ontem postei no facebook que estava de volta, e cerca de 2min depois recebo a seguinte mensagem no meu mural: um para mim? (alfajor)?
Exatamente assim. Bem, vale mencionar que a pessoa que me encaminhou essa mensagem não é minha amiga. É amigo de amigos e nos encontramos nos últimos 2 anos em exatamente 4 ocasiões: no Reveillon, no Carnaval e no aniversário de uma pessoa. Nesses momentos a gente conversou e riu e bebeu, e aparentemente, isso nos basta para a pessoa sentir-se à vontade em me pedir um alfajor. Obviamente, vou dar, porque tenho para dar e porque afinal ele me pediu, mas fiquei realmente achando estranho. Eu acho que jamais faria isso com alguém com tão pouca intimidade comigo. Achei sem-noção, sabem como?

Desafio semanal: checked

Na semana passada não consegui me lançar em nenhum desafio. Tiveram 3 eventos na repartição, 2 dos quais eu estava organizando, na quinta à noite fui para Buenos Aires e portanto usei minhas horas de folga para os preparativos.
Mas na outra semana eu tinha um desafio inspirado pela minha limpeza na caixa de bijuterias, que era: usar 1 bijuteria em desuso todos os dias. E eu cumpri!
Foi muito legal e me diverti pensando no que iria usar no dia seguinte, montando as combinações das roupas a partir do acessório que fosse usar. Ao fim, dois colares, um bracelete e um par de brincos saiu para dar uma voltinha e brilhar por aí. Gostei!
Cheguei até a bater fotos deles, mas aí pensei depois que não tinha lá muita graça postar fotos dos acessórios que viram a luz. Deixa pra lá. Essa semana preciso encontrar um novo desafio, estou meio sem ideia! Alguém sugere?

Continuando pelo final: o erro pelo qual paguei caro


Cheguei de volta em Floripa 14h15, bem na hora em que caía uma chuva torrencial dessas de verão. Como tomei um táxi muito caro na Argentina, aqui no Brasil resolvi voltar de ônibus para casa, pois sei que esse trajeto costuma custar por volta de R$50,00 e era desnecessário considerando-se o horário e minha pouca bagagem. Peguei o Corredor até o centro, de lá peguei um qualquer para vir para cá, e cochilei no ônibus. Quando acordei, me encontrava em frente a um viaduto, muito parecido com aquele que tem logo aqui perto, quando se sai do Bela Vista e entra em Barreiros. Com medo de ter deixado passar o ponto, desci imediatamente. Atravessei o viaduto e me vi... em frente ao Mundo Car!
Estou dando referências de besteira minha, sei que vocês não estão entendendo. Vou explicar: foram quase 15km. Vou explicar melhor: foi isso aí que fiz ontem.

No meio da BR101 e garoando, não havia um ponto de táxi, bateria no celular ou mesmo dinheiro para tomar um carro caso passasse. Resolvi não pirar e ir andando, que no caminho podia pegar um táxi, e fui indo. Quase 40min depois, já estava quase em casa quando finalmente surgiram tais ecos da civilização. Dali, resolvi que já que não tinha pego mesmo não ia mais pegar.
Cheguei em pandarecos. Era ressaca e noite não-dormida de ontem, cansaço do feriado, cansaço da caminhada, calor, pé sujo de lama, Jesus, ainda bem que resolvi viajar de chinelos!
Mas que voltei de ônibus, voltei. :)

Começando pelo final: contabilidade

Não, não a contabilidade dos gastos da viagem (que, não posso afirmar com absoluta certeza, mas parecem ter ficado dentro do planejado - minha senha pro internet banking está bloqueada depois de acessá-lo pela Argentina, então só tirarei extrato mais tarde, no caixa eletrônico da repartição). Estou contabilizando nesse momento os calos nos pés. Ficou assim:

pé esquerdo - 1 no calcanhar, trazido do Brasil e piorado na Argentina, 1 entre o polegar e os demais dedos, um sobre o 'anelar' e um no mindinho.

pé direito - 1 entre o polegar e os demais dedos, um sobre o 'anelar' e um no mindinho.

TOTAL: 6 calos totalmente novos e 1 semi-novo, totalmente reformado!

Ainda sobre o estado dos pés, atesto inchaço impressionante, mesmo hoje ainda, quando contemplo-os jazendo sobre os travesseiros, após uma esfoliação e massagem com meu creme da Granado. E depois de terem ficado elevados ontem por no mínimo 3h. Esmalte lascou em algumas unhas, fruto das mini-trupicadas que dei pela cidade, porém, dessa vez, sem nenhum tombo, fato histórico em se tratando de Thais modo viagem.

Voltei, com novidades portenhas e confesso que senti saudade do blogue. Hoje blogarei como se não houvesse amanhã e vou finalmente reler os blogue dozamigo!

Blog Archive