Total Pageviews

Tuesday, February 14, 2012

Compulsão


Desde que vim trabalhar na repartição e passei a ganhar coisa de R$700 de vale-alimentação, mudei muitos hábitos. O primeiro deles e que me faz mais feliz é comprar absolutamente tudo que me dá na telha, porque afinal "não é dinheiro", e fico mais à vontade para experimentar novidades e coisas que pelo preço eu geralmente não compraria. Além disso, é um tal de ver coisas de comprar e pensar "isso eu posso comprar no Angeloni", que eu coloco quase tudo nele, e assim arrumei jeito de gastá-lo. Eu abasteço o carro no vale, compro eletrodomésticos no vale, chinelos, cosméticos e ítens de vestuário no vale, presenteio pessoas através do vale e outras coisas do tipo. Almoço todos os dias numa padaria aqui perto, que aceita meu vale - acho-a bastante cara, mas como passo o vale, acabo não achando ruim. Adquiri um hábito então de frequentar os baleiros das padarias e lanchonetes, para comprar o Trident rosa que eu gosto, e eventualmente chocolate branco, e então... Fruitella rosa.
Eu gosto da textura e do sabor; vou sugando a bala rapidamente, sentindo ela diminuir, e quando está fininha, quebro-as nos dentes e fico sentindo o puxa-puxa. E vou abrindo uma a uma, e vou comendo, só parando quando acabou a embalagem. Quando compro, já sei que é para comer até o fim. Então me peguei, em dias de tentativa de dieta, procurando coisas para levar de lanche na repartição, e percebi que eu sempre levava a tal bala - porque assim "passava mais rápido o tempo". Nesses dias em que viajei muito de ônibus, comprei muitas, para ir chupando no ônibus. E semana passada, horror dos horrores, percorri todos os baleiros da rodoviária de Criciuma para descobrir que nenhum deles vendia a minha bala! Comi um Mentos muito frustrada, realmente em crise de abstinência. Percebi que a balinha me acalma, me deixa menos ansiosa, me faz passar mais rápido o tempo. E como eu sinto falta dela quando não tem.
Percebi que estabeleci uma compulsiva relação de dependência com essa balinha, e não raro estou com minúsculos cortes na língua e céu da boca, resultado de tantas balas.
Preciso parar. Urgente. Vou tentar passar uma semana sem comer nenhuma vez. A última vez foi ontem à tarde. Preciso descobrir como fazer passar o tempo mais rápido nesses momentos de crise, mas, principalmente, na repartição, uma vez que eu trabalho aqui todos os dias e não quero comer um pacotinho de bala todos os dias.
Dileta audiência, se entre vós houverem pessoas ansiosas, me respondam: como fazem para driblá-la?

1 comment:

Cristiano said...

Floral de Bach... resolve...

Qto tempo sem balas?

Blog Archive