Total Pageviews

Friday, June 27, 2008

Inferno Astral?

Talvez! Doente, cheia de trabalho acumulado para a única semana do ano que não poderia ter de jeito nenhum, prestes a dar os ultimatos entalados a vida inteira, enrolada com o pagamento que não sai... Eu diria, que, posso me considerar surfando na enxurrada do azar.

Thursday, June 12, 2008

Na repartição

Quatro dias depois, já vêm as primeiras impressões, historietas, personagens...
Em primeiro lugar preciso ressaltar que certas coisas muito me surpreendem. É a primeira vez que eu trabalho de verdade, e é num lugar bastante diferente de meus estágios anteriores. Quem sempre trabalhou pra Prefeitura sente uma diferença eloorme em quando vai pra uma ONG... Por vários motivos. O primeiro, mais gritante, é que em geral, tudo funciona direitinho, e se estraga, é rapidamente consertado: o prédio tem elevador, computadores, impressoras, internet, datashow, aparelho de som, DVD, ar-condicionado, máquinas de xerox, tudo podendo ser fácil e rapidamente acessado. Eu mando os planos de aula por e-mail na noite anterior, e quando chego na manhã seguinte, o plano está impresso, e todo o material listado para as atividades do dia estão separados para que eu os utilize. Isso é um espanto total para quem viajava de ônibus cidade afora o tempo todo, atrás de cartucho para impressora, atrás de orçamento de limpa-fossa pra fazer a licitação e poder consertar, mandando micros para o CPD e perdendo-os para sempre... O lugar tem todo o ar de organização e colaboradores: todo mundo é simpático, disposto, bem vestido, inteligente-emocional, pró-ativo e todas aquelas palavras que se usa nesse nicho. Todo mundo sempre com medo de ser mandado embora, "dando o seu melhor".
Essa turma pra quem eu dou aulas, as assiste no prédio da própria repartição, no centro da cidade, bem perto de todos os comedores de ratazanas com sapato de couro. Isso me deixa sem muito espaço pra me espalhar e conseguir falar umas verdades para meus pobres pupilos... Uma lástima. Algumas turmas vão ter aulas "na comunidade": estava cotada para esta, mas não disseram mais nada em relação a isso, então receio que a turma já tenha outro responsável, ou não tenha aberto.
Minha turma é gente boa. Tem uns mais engraçados que os outros, uma crente que já deu umas duas historietas de brinde, que hei de relatar ainda. Trabalhar é tão chato, né? Preciso ir toda colaboradora, um saco! Vamos ver quanto tempo dura a minha aventura pelo mundo corporativo!

Sunday, June 08, 2008

De "engole esse choro!" a "querida, eu gostaria que tu não chorasse", uma a uma das recomendações que me fizeram, dizendo que eu não deveria chorar, iam enxugando uma lágrima do meu potinho. Tantas recomendações acabaram por esvaziar meu potinho, e hoje, quando eu choro, meu choro é seco. Não tem mais nada que me escorra face abaixo e leve consigo uma medida de dor. Assim, no meu potinho, vão ficando as dores.
E eu espero o dia em que o potinho esteja cheio, inchado. E nesse dia, sei que eu vou sair voando em mil pedacinhos, cada um levando só uma pequenina dor, seca, pelos ares.

Friday, June 06, 2008

A grande novidade

Sabem aquilo que eu dizia que não podia escrever, e que me deixava sem tempo/energia para pensar e falar sobre outras coisas? Então! Comunico com enorme prazer que o mistério acabou.
Como alguns leitores, também assíduos no MSN já sabem, trata-se de um emprego. Arranjei um!
Agora quem vos escreve é uma Educadora Social. Fico dando aulas a adolescentes e jovens que vão ao mercado de trabalho pela primeira vez, no intuito de deixá-los mais facilmente domesticados e dominados. Que legal, não?
Trabalho, mas não muito. Só uma vez por semana, 6h por dia. Responsável por uma turma apenas. Ganho tanto quanto trabalho, ou seja...não muito. Minha turma é de maiores de 18 anos, portanto, não muito difícil. A seleção foi o processo mais complexo e esquisito que já vivi no mundo do trabalho. Levou quase sete meses e teve exatamente sete etapas, e no fim das contas, ainda não acabou para algumas pessoas. No entanto, semanalmente eles estabeleciam algum contato que me deixava "amarrada" ao processo seletivo... Creio que era um teste de paciência.
Na primeira semana, meus pupilos precisam de 4 aulas comigo direto, assim que desde ontem e até terça-feira tenho uma rotina de trabalhadora formal! Não é uma merda?
Bem... Desabafada a novidade maior, posso agora voltar a postar mais assídua e sinceramente. O que não significa que os posts serão melhores, mais longos, ou que não falarei mais de comida, como questionou um anônimo bastante estimado. Vamos fazer de conta que o blog é meu, só lê quem quer, e nele eu falo o que eu quiser. Valendo!

Tuesday, June 03, 2008

Perguntas que não querem calar

O que leva um senhor rico, famoso, que pode pagar a prostituta mais cara, do bordel mais fino e em off do Rio de Janeiro ir passear de carro, e levar consigo um traveco que nem com toda a produção do mundo pareceria de longe com as modelos que costumam virar suas esposas, noivas&afins?

Blog Archive