Total Pageviews

Monday, April 28, 2008

O padre voador

Eu também quero sair pelo céu com 2mil balões amarrados nas costas! Se eu me perder, prometo que uso o GPS direitinho, e levo uma barrinha de cereais junto!

Sunday, April 27, 2008

A evolução

Continuo firme no propósito de não desprezar o próximo. Aquele próximo especificamente. Agora é que eu me dou conta de quanto tempo eu perdia dando vazão ao meu desprezo. Eu preciso desprezar menos!
Comi hoje uma pizza de rúcula esturricada. A rúcula e a pizza. Ai que tava tão melhor na cama!

Só me faltava essa

O gordinho da minha ex-rua, 4 anos mais novo que eu, aquele mesmo, que me mostrava o pintinho e dizia que me amava, veio agora dar em cima de mim pela internet. Aquele velho papo (pra ele, possivelmente, novo) de "e aí, linda, o que anda aprontando?".
Tenha dó!

Meu escondidinho de carne seca

...Ou "Faz tempo que eu não falo de comida aqui"
Minhas receitas envolvem muita intuição, achismo, olho... Não tem medida pra nada. Tentem!

A carne seca
A carne seca é fácil de fazer se tu tiveres tempo. Basta passar sal grosso na carne crua e deixá-la num recipiente para que desidrate tudo, trocando o sal e limpando o recipiente periodicamente. Paradoxalmente, ao final do processo, terás que colocá-la num outro recipiente com água para dessalgar, mas é importante, por que o que interessa na primeira parte é aquela textura desfiada da carne, entende?
Daí ela estará pronta para ser refogada com os temperos de minha preferência, ou seja, muito alho e pimentão, e quantidades normais de cebola e tomate. Daí está feita a primeira camada do escondidinho.

A mandioca
Em não se podendo plantar a mandioca todos os dias, cozinhamos ela, em quantidade condizente com o número de pessoas que irá comer o escondidinho, bem como com a quantidade de carne. Daí quando estiver molinha, amassa, mistura com manteiga e leite, e isso pode ser no liquidificador. Daí no meio do purê fervendo, cebolinha verde picada, pra ele ficar bem coloridinho e fofo. Põe por cima da carne!

O queijo
Eu usei queijo colonial de feira, numa quantidade pequena, pois estes queijos têm a característica de derreterem e se espalharem largamente. Assim, não precisa exagerar no queijo. Forno por no máximo meia hora, e bom apetite...

Thursday, April 24, 2008

Das vantagens de se morar sozinha

São muitas, é claro. Mas num dia calor feito hoje, é tão bom tu poderes tomar banho e não se vestir depois. Passar a tarde inteira vendo TV, blogando, dormindo, estudando e até cozinhando sem roupa! Nu, com a mão no bolso!
Wohooooo!

Monocromática

Quatro peças de roupa diferentes, tudo variando nos mesmos "tons de marrom".
Vida monótona...

Monday, April 21, 2008

E a tarefa da semana é...

...não desprezar mais algumas pessoas desprezíveis! Passei o feriado lendo e refletindo que preciso fazer alguma coisa para me orgulhar de mim mesma. Uma delas, paradoxalmente, deveria ser parar de me julgar melhor que os outros, por piores que eu que eles pareçam. Tem uma pessoa, especificamente, que preciso me esmerar. Vai ser difícil, mas tentarei apagá-la de minha mente, evitar todas as péssimas lembranças do que ela fez, do que ela não fez, e do que eu senti em relação a isso. Tem mais uma meia dúzia que me pilho desprezando, mas como esta é de longe a mais difícil, vamos com calma, sim?
Aposto que isso ainda rende posts. É como fazer dieta, e precisar dividir a experiência com alguém...

Sunday, April 20, 2008

Se prepare

Lá vem reclamações.


Ontem foi um dia daqueles bons pra gente esquecer pra sempre, ou se arrepender de ter nascido. Eu tinha me comprometido a estar, às 10h da manhã, no centro da cidade, pra ajudar numa mudança. Obviamente que perdi a hora, e às 10h da manhã eu saía de casa. Em não tendo eu avisado que iria ou a que horário, estava relativamente tranqüila. Aí pra frente...
...passei 25min no ponto do ônibus...
...chegando ao centro, comprei uma passagem para Joinville final do dia....
...me enderecei ao local da mudança, que às 11h30 da manhã estava totalmente trancado...
...tentei ligar a cobrar para uma pessoa que, sem créditos, não pôde me atender...
...sendo assim, embarafustei pela rodoviária e peguei um agradável pinga-pinga às 13h15...
...fui comprar uma pipoca "quentinha", que me custou R$2,00 e estava gelada e murcha...
...fui comprar um guaraná, e minha carteira caiu no chão...
...derramei meio saco de pipoca no chão da loja, catando a carteira...
...às 13h20, a Brasil Telecom me manda uma mensagem me dando R$45,00 de créditos...
...às 13h45, paramos em Tijucas...
...paramos em Itapema, em Balneário Camboriú e em Itajaí, onde entrou uma família com duas criancinhas, sentadas imediatamente no banco de trás...
...passei quase duas horas, sobre a ponte de Navegantes, com as duas crianças chorando e rindo alternadamente atrás de mim o passeio todo, além das reguladas que a mãe tentava infligi-las...
...chegando às 18h em Joinville, não tendo chave de casa, nem ninguém para me abrir a porta, passando assi mais 20min esperando na rodoviária.
Entrei no carro e chorei.
Quantos posts curtos. Mas não se preocupem, que assim que voltar, tirarei o dia pra reclamar, principalmente de ontem.

Pechinchas

Fui lá eu fazer pesquisa de academias pra eu poder ir à aula de natação. Num dos lugares, a mocinha me diz:
- Duas vezes por semana nós cobramos R$85,00. Mas tem também o plano trimestral, em que tu dás três cheques de R$84.

...

Friday, April 18, 2008

Detesto as reportagens com as donas de casa ensinando a fazer economia. Tem todo início de ano, e agora com esse aumento no preço dos alimentos, Dona Globo já sacou a carta da manga, e vamos curtir as boas idéias.
Cara, eu sou uma pessoa feliz por ir ao supermercado e ver aqueles anúncios explodindo, acenando alguma promoção. Sempre levo o número máximo de unidades permitida, e se não tiver, então... Certo que volto com uns dez molhos de tomate pra casa. Mania de fazer estoque, deixa eu?
E quem são essas tiazinhas pra quererem me ensinar a rosetar no supermercado? Sou mestra nisso!

Thursday, April 17, 2008

Interromperam a Linha Direta!

Grazadeus, agora, depois de A Grande Família, não tem mais aquela vinheta macabra, nem aquele programa indigesto! Colocaram outra atração no lugar, também de humor.
Só de não ser mais Linha Direta, já me contento!

Tuesday, April 15, 2008

Horário de Vadio

Tenho me esmerado em a cada semana que passa, criar um horário mais esdrúxulo de sono. Depois de passar todo o período do TCC virando a noite e dormindo de dia, nos últimos tempos, dei pra acordar de manhã cedo (tipo até umas 8h), e estar com sono às 12h. Em não tendo eu fixos horários para minhas atividades, deito-me e dou vazão ao sono que me assola, até o meio da tarde. O problema é que passo o restante dela me refazendo e tentando acordar. Estou, agora memso, completamente letárgica, de ter dormido das 10h da manhã até as 13h. Só quero ver o que vai ser de mim quando receber "a glória" de me empregar em algum local de horário fixo...

Dias frios

No primeiro banho invernal, já queimei o chuveiro. Ai, ai, ai, vai começar tudo de novo...

Persépolis

Desenho, francês. História bobinha, mas contada de uma maneira tão gracinha!

Aconteceu

Agora, sou oficialmente uma Insistente Social. Cada vez mais desempregada!

A Colação

Cheguei um pouco atrasada em relação ao horário que deveria ter chego, mas cedo o suficiente para colocar a furibunda beca, que é abafadíssima, confabular com as cálegas de colação e tomar um tanto de Cachaça Gabriela, especialmente reservada para este fim. Minutos antes de nossa entrada, tivemos uma gigantesca briga por conta de uma alteração no nosso juramento. Entrei com uma tromba quase do tamanho do Elefante Branco (com o perdão do trocadilho infame), imediatamente dissolvida pelos berros de minha gente na minha entrada... A colação foi enfadonha como todas, com alguns pontos altos - como a entrega do meu diploma-homenagem, feito por minha gente, e uma faixa linda! As músicas repetiam incessantemente, mas finalmente acabou.

A Festa

Familiares e demais convivas se endereçaram então ao restaurante onde jantaríamos. Na minha opinião, o jantar não foi ruim, mas nem esplêndido. A sobremesa, apesar de linda, era extremamente doce. Haviam bebidas em profusão, e eu consegui realizar meu intento de meter os pés numa polpuda jaca.

A Banda

A banda, na realidade, era um cara com um repertório mais defasado que o de meu avô. De todo modo, depois de alguns dissabores, ele ficou lá e recebeu o cachê indigesto.

Os presentes

Ganhei lindas flores lilases, bombons de cupuaçu direto de Manaus, uma pulseira de ouro, dois chaveiros de inox, uma moedeira complicada, uma caixa de madeira pintada, um álbum de fotografias feito de papel reciclável, óleo de massagem sabor amêndoas, creme de castanhas, um pote de colônia, um livro, uma caneta toda fina, e mais algumas miudezas. Lindos!

Terminamos a noite andando pela praia, molhados&salgados como convém a um fim de formatura perto da praia. Na noite seguinte, estava em Joinville, com o mesmo vestido da noite anterior (lavado e seco na secadora às pressas), para a formatura de outra pessoa da família. Quase sem dormir, ingeri módicas 8 a 9 latinhas de energético, que me deixaram o dia seguinte todo indisposta e mareando, e, confesso, com a coluna em pandarecos, depois de dançar um créu.
Agradecimentos efusivos a todos que me prestigiaram, que me mandaram felicitações. Fizeram-me feliz!

Tuesday, April 08, 2008

Minha formatura

Demorou, mas parece que vai chegar! Está tudo marcado para que na próxima sexta-feira, dia 11, eu seja uma Desempregada Oficial! A colação de grau será às 19h30, na UFSC, e logo em seguida, terá um jantar para convidados escolhidos com um dedo muito exigente. Somente a família que poderá comparecer e os amigos que já são parte da família. Mas é claro que, "em se tratando de" a minha família, o evento família será um evento família com muita comida e principalmente bebida. Estou perigosamente enferma desde o sábado, mas me auto-medicando fortemente para que na sexta possa meter meus gloriosos pés numa polpuda jaca.
Se você lê isso, mas não foi convidado, não se sinta magoado. Te pago uma cerveja nos botequins da vida, depois que passar o "evento família". Não fiz baile, por achar uma festa sem graça e homem de terno ridículo.
Enfim, é festa!

Saturday, April 05, 2008

Florianópolis está numa de suas raras semanas cheias de bons filmes em cartaz. Deve ser para compensar o frio que se avizinha...
Parece que desobstruíram um caminho que estava cheinho de pedras. Torçam pra que algo de bom me aconteça nessa semana, por favor?

Friday, April 04, 2008

Contra o tédio, blogar é o melhor remédio

Contra o ócio e a ansiedade também. Vamos torcer para passar tudo rápido? Não quero mais esperar!

O Sonho

Uma cidade fronteiriça, calor o ano todo. Perto da Floresta. Mosquitos em profusão, onças, piranhas, jacarés. Um sotaque caipira pronunciado pela maioria da população lá residente. Casas de telhado baixo, um teco-teco pra chamar de teu. Umidade, cidade abafada. Muito mato à tua volta. Um emprego tosco (mas me diz qual é o emprego que não é?). Uma amiga doida, um amigo gay, tão doido quanto ela. Urucum no seu formato original pra desenhar no corpo. Passeio de barco e banho de rio. Redes. O queijo amolecendo de ficar sobre a mesa. Pedras redondas e lisas. Sol escaldante. Andar de havaianas o ano inteiro. Jogar fora as botas e os sobretudos. Não ter o que fazer no domingo - e talvez nem no sábado, ou na sexta-feira. Não ter muita gente parecida contigo, pra fazer amizade.
Como tudo pode parecer belo, tentador, colorido e até perfumado. Já sonhei ontem à noite. Só espero que colocando "pra fora", evite de sonhar de dia...

Thursday, April 03, 2008

Quarta sem Clara

Perdi o Tributo a Clara Nunes no Café Matisse, por motivos de chuva incessante.
É, o verão acabou. Ódio!

Gordo é tudo safado

Entrei ontem num restaurante que anuncia servir sopas. Pra tomar uma sopa. Vários sabores, 500ml de sopa, torradinha, tudo direitinho... Mas também anuncia rodízio de pizza.
Ah, que dúvida, não?

Tuesday, April 01, 2008

Charles

Charles entrou em minha vida quando eu tinha 11 anos de idade. Foi indicado pela irmã dele para me dar "umas aulinhas" particulares de matemática, durante todo um verão, até eu passar na segunda época. Todo mundo era doidinha por Charles, e eu passaria 2h diárias na presença do galã. Em menos de uma semana eu não podia mais vê-lo, não fazia mais as lições, não ia pra aula no horário e deixava-o plantado, dentre muitas outras deselegâncias dignas de uma pré-adolescente em momento de ódio. Quando passei de ano, desliguei o telefone na cara do pobre, que me ligara para me cumprimentar. Mal sabia eu que poucos meses depois, estaria na aula de novo. E que nossas aulas durariam módicos 7 anos, enquanto eu estudasse. E que quando além de matemática, eu também tivesse física e química, seriam mais aulas ainda. Passamos em algum momento qualquer da fase de ódio profundo a uma certa aceitação (ajudada por subornos de Pringles, Passatempo recheada e outros mimos que eu ganhava para fazer alguma coisa na aula - pedagogias de Charles) fora das aulas. Passamos a conversar uma coisa ou outra de fora das aulas, e ele passou a dormir em minha casa quando meus pais viajavam. Para "cuidar" de mim. Assim foi que passou a ser convidado a passar os verões com a família toda na praia - a esta altura minha mãe já o chamava para pequenos consertos em casa, para buscar-nos na aula quando ela não podia, dentre outras funções pouco dignas. Quando aconteceu o romântico momento adolescente de minha festa de 15 anos, convidei Charles para ser meu príncipe - lindo de gravata do Mickey e sem saber dançar. Charles foi ficando, e já não acontecia nada sem que se pensasse em Charles. É o homem mais bonito que eu vi pessoalmente na adolescência inteira, e se não tivesse engordado módicos 30kg deste então, talvez ainda fosse. Charles é o exagero. De gracejos, de beijos e abraços. Tão simpático, tão inteligente - pelas minhas contas, está na 5ª graduação, e conseguirei a façanha de me formar antes dele. Tão malvado com suas mulheres - tento dividir a culpa com ele, dizendo que tirei o melhor que havia nele para mim, deixando pouco para as demais. Mas enfim, dizem que na terceira não tem erro: Charles casou-se com a terceira noiva, que só conheci no dia do casamento, quando já era tarde, hehe.

O casamento

Como não podia deixar de ser, o casamento foi diferente desde o convite: um DVD com ele e Sheila, a noiva, convidando as pessoas para o casamento. Foi feito durante todo um final de semana, num hotel fazenda fechado para o evento, com milhares de regalias para os convidados, tais como piscina, quadras, laguinho para pesca, pedalinho, trilhas e cachoeiras, bebidas à beira da piscina... às 17h de sábado se iniciaria a cerimônia, ao ar livre. 17:20h Charles gritava do altar chamando os convidados atrasados para que descessem logo. Por volta de 17:35h estávamos todos sentadinhos em volta do lago, e se iniciaram as músicas que levariam os padrinhos ao altar, que ficava do outro lado de uma ponte que dividia o lago. Em meia hora a cerimônia tinha acabado e estavam enfim, casados. Saíram correndo embora, deixando o fotógrafo e os padrinhos com cara de tacho, correndo desesperados em seu encalço. O jantar foi deveras delicioso, a noiva estava liiinda, todas as formalidades cumpridas rapidamente, e a festa em si, começou logo. Com a facilidade de ir logo para os quartos dormir, muitos convidados saíram cedo da festa, que começara também cedo. Ainda assim, persistiu até as 4h. Na manhã seguinte, todos muito mal penteados e arrumados no café da manhã, notava-se os efeitos nefastos de Red Label com gelo de água de côco. Infelizmente, chovia no domingo, o que eliminava a piscina e a maioria das programações ao ar livre, mas com um chalé num hotel fazenda à disposição, creio que ainda valia muito a pena continuar.

Os convidados

Ao contrário do que imaginei, eu conhecia poucas pessoas. A maior parte da família, e uns três grupos de convidados somente. Um dos padrinhos, inclusive, eu não sabia, mas era noivo de uma antiga conhecida. A maioria se organizava em pares ou famílias com crianças. Tio Irineu, pai de um amigo quase tão velho quanto Charles, presente no evento, simplesmente não me reconheceu! Estavam todos, conforme instruções dos noivos, sem trajes formais, o que rendeu patrulhas estéticas interessantes.

A lua de mel

Continuando uma seqüência de coisas inusitadas, os noivos saem amanhã em lua-de-mel, destino desconhecido. Saem de carro rumo a algum lugar que julgarem interessante pelas estradas. Não sei se Sheila aceita as sugestões de Charles ou se partilha das mesmas idéias, mas o que me interessa, é que parecem estar totalmente de acordo nos planos. Felicidades sempre ao casal!

Blog Archive