Total Pageviews

Tuesday, October 31, 2006

Quanto tu me conheces?

Cheguei no MSN...ela já disse: desabafe. Conversamos, ela foi me contar uma história, e cada detalhe que ela ainda ia dizer, eu já sabia o que era antes. Quantos amigos, quantas amigas tu tens e podes dizer isso? Eu tenho ela. E é mais do que suficiente.

Monday, October 30, 2006

To Be or not to be?

A maior vantagem de nós mesmos sobre os outros é que nós podemos mudar tudo o que não gostamos. Já que não podemos tornar as outras pessoas aquelas que queremos, tivemos a oportunidade de nos tornar exatamente aquilo que queremos ser. E o mais louco disso tudo, é que isso muda o tempo todo. Quando eu era criança, eu só queria ser a menina mais bonita da sala. Quando eu mudei de colégio uns anos depois e apareci no topo da lista das meninas mais bonitas da sala, fiquei pensando que realmente aquilo de nada me adiantava, por que o menino que eu gostava estudava na sala ao lado... E hoje em dia, eu bloqueio esse menino no MSN, de tanto que ele me aborrece. De tão sem assunto que eu sou com ele.
Mas pegando o gancho das borboletas... O legal da borboleta, da sua metamorfose, é que (pelo menos aos nossos padrões), ela é mais bonita quando é borboleta. Belezices à parte, apesar de tudo, eu sempre me prefiro como eu estou agora. Provavelmente, mais na frente, nada do que eu tenho hoje comigo me faça cócegas. Mas hoje, é como se eu fosse uma borboleta, de asas novinhas, muito mais "bonita" do que antes.
(http://gabimetamorfica.blogspot.com - a fonte...)

Sunday, October 29, 2006

Joinville e a conjuntura dos astros?

Tem um certo tempo da vida que tudo se acomoda e tudo se arranja, cada pequena aura insignificante se resplandesce e encontra uma auracoloridinha dos brilhinhos prateados assim como a sua, e por dentro da aura, os dois espinhentinhos de óculos da adolescência se sentem fortemente atraídos um pelo outro tanto quanto os bonitinhos da escola, os divorciados e todos do seu pequeno Universo se vêem de repente, não mais que de repente, sorrindo feito idiotas para a tela do computador ou para o "mensagem recebida" no display do celular,suspirinhos no meio das aulas-alienantes&trabalhos-edificantes, e aí,nem adianta mais negar: a paixão te fulminou o coração, e te derreteu a mente. Dizem que é a primavera, dizem que é o período que os bichos se amam e se acasalam, talvez apenas o fenômeno da geração atual procurando renovar a raça humana com uma nova leva de ranhentinhos prontos a se degladiarem no jardim da infância pelo balancinho que balança mais alto...não sei. O fato é que Joinville está evidentemente toda arranjada em pares de todos os tipos de casais que fazem todo o tipo de coisas juntos, de faixa etária aproximada à minha própria,arrulhando e se beijando por todo puto barzinho, boate ou esquina dessa cidade. Como se tivesse chegado nosso tempo de nos recolhermos todos aos nossos devidos lares, para procriarmos as novas crianças que dentro em pouco movimentarão toda a economia da cidade, desde lojas de departamentos até escolinhas. Chego a pensar se o movimento nos motéis da cidade não terá caído de maneira absurda atualmente, de tão familiar que é o tom...tom? Tom pastel, meninas de blusas rosa-velho com babadinhos e meninos de camisa pólo, dando passeios e fazendo programinhas light como manda o script: muita locadora, churrasco com outros casais, barzinho com outros casais, padaria com outros casais,(por que não logo suicídio com outros casais?), ouvindo Ziggy Marley
ou outra coisa beeem light, como continua mandando o script.Apesar de joinvillense e dada a seguir os ditames, vou ter que deixar para a próxima a minha contribuição para a nova geração a caminho,visto que o acasalamento visando a procriação ainda não está nos planos diretores dos próximos anos. Ainda assim, felicidades a todosos casais que povoam atualmente os metros quadrados do local, belos filhos e muito sucesso. Quanto a mim, pego o rumo de qualquer outro lugar onde eu não tenha que me deparar com todo esse amor explodindo de calmaria, paz e chope-com-porção.

Thursday, October 26, 2006

HAHAAHAHHAHA

Debate hilário... Amin está hilário!

Diversão Garantida

Marinete* tem uma irmã que vai semanalmente ao "Móveis Usados". Segunda-feira, comprou uma esteira pela bagatela de R$200,00. Chegando em casa, ligou e pulou pra cima. Caiu por cima de Marinete, que caiu por cima de sua mãe, que caiu no sofá e acabou fazendo xixi de tanto rir. Desliga, lá vai Marinete... de sandália havaiana. Dá uma topada e vai rolando até lá atrás, e perde a carona da esteira. Desliga, lá vai o genro de Marinete: de tênis, bonitinho. Na hora de descer, em vez de desligar a esteira, sai fora, se tropeça e cai de joelhos.
"Ela é dona do jogo..."




*preservando a identidade da figura.

Eleições

Será que eu vou ter que virar lulista por falta de opção? É isso mesmo?
Parece que vou ter que me retratar publicamente diante de todo o CTC?

O que vem a ser problemas de roaming?

Quando eu finalmente resolvo ter um celular de Floripa, ele tem "problemas de roaming". E o sinal cai no meio das ligações. Ódio.

Tuesday, October 24, 2006

Click

Ideal pra uma noite de terça?

Epitáfio

5 anos, banhos, passeios, viagens, idas e vindas, mordidas e traições depois, ele se foi. Sumiu, sem dizer nem tchau. Posso dizer de alma limpa que o aproveitei, em casa fração de segundo que esteve comigo. Nunca senti por ele nada menor que um amor muito, muito forte. Nem mesmo quando ele me tirava do sério, era ruim com as pessoas, ou um pouquinho esnobe. Ele me ensinou a respeitá-lo, às suas particularidades, ao seu ritmo. Fico lembrando das nossas brincadeiras, dos "abraços de amigo" que eu dava nele, em como as argentinas de Canasvieiras ficavam doidas por ele (muy hermoso), o dia em que o joguei na piscina sem querer. O ciúme que ele sentiu quando Billy Junior chegou. O tempo em que ele me perseguia incessantemente, que eu dava voltas em torno da mesa, só pra vê-lo confundir-se. As gravatas borboleta que ele usava em dias de festa, o agasalho quadriculado de inverno (indumentária de Scherlock Holmes).
Agora Billy Boy se foi. Mas deixou muito dele comigo. Você já amou um animalzinho mais do que a muitas pessoas?
Então, é disso que eu estou falando.

Monday, October 23, 2006

the cure

how each of us decidesi've never been surethe part we playthe way we arehow each of us denies any other way in the worldwhy each of us must choosei've never understoodone special friendone true lovewhy each of us must lose everyone else in the worldhowever unsurehowever unwiseday after day play out our liveshowever confusedpretending to know to the endbut this isn't truth this isn't rightthis isn't love this isn't life this isn't realthis is a liehow each of us believesi've never really knownin heaven unseen and hell unknownhow each of us dreams to understand anything at allwhy each of us decidesi've never been surethe part we takethe way we arewhy each of us denies every other way in the worldhowever unsurehowever unwiseday after day play out our liveshowever confusedpretending to know to the endbut this isn't truth this isn't right this isn't love this isn't life this isn't realthis is a liethis isn't truth this isn't rightthis isn't love this isn't life this isn't realthis is a lie...

Sunday, October 22, 2006

O Dia em que conquistei um PM

No dia do pedágio (posts atrás), a puliça nos ajudava (seja lá pra quê). O tal do policial que ficava ali conosco resolveu puxar assunto comigo: qual era meu nome, minha idade, de onde eu era, e coisa e tal. Daí...
- E aí, vaix no Bruno&Marrone?
- Não, não vai dar...
- Pq?
- Pq sou pobre, não tenho dinheiro (hã-hã-hã)
- Mas o namorado não paga?
- Não, ele também é pobre...
- Mas é tão legal, eu tenho três DVD's deles.
Aí, não contente, ele saca o celular:
- Alô? É da Rádio Band? Quero oferecer uma música para a Thaís, uma moça muito simpática!




Graças a Deus, o sinal abriu.

Tempos mais tarde, meu companheiro de pedágio, vem me dizer que o policial perguntou quem era a "galega".
É mole?

Feliz da Vida...

...com meus leitores que têm deixado comentários. Adoro estes mimos!!

Locomotiva Social

Fatos esquisitos da vida real na última quarta-feira me levaram a um estado de perplexidade associado a uma vontade de acelerar um pouco o ritmo da vida, nem que fosse pela efêmera sensação de adrenalina desses poucos momentos. Foi assim que desde quarta-feira eu me pilhei saindo todas as noites atrás de coisas a fazer, e me levantando todas as manhãs atrás de trabalho a realizar, na tentativa de superlotar a mente. O resultado é um corpo cansado, uma mente exausta, alguns laços de amizade mais reforçados do que já eram, e alguns posts para o blog.

Thursday, October 19, 2006

Dinâmicas de Grupo

Como o costume é fazer piadinha um do outro, às vezes eu brincava que tínhamos que restaurar nossas relações, e pra começar, tínhamos que cada um dizer uma coisa boa do outro. Ontem, em plena madrugada, muitas cervejas depois, decidimos que a roda diria a parte boa e a parte ruim da pessoa.



...


Estamos até agora discutindo o que foi dito ontem na roda.

Monday, October 16, 2006

Foi o último dia 16 de outubro que eu passei assim.

Ainda Sobre Decotes (ou..ética no vestuário)

Ontem eu passei o dia numa festa, dormi na festa, e fui trabalhar direto, com a mesma roupa. Daí, que a blusa tinha o tal decote em V do post passado, e era amarrado na nuca. Daí hoje de manhã, simplesmente uma pessoa me ignorou, e quando eu perguntei o porquê, me disse que "aquilo não era blusa de eu ir trabalhar". É mole? Se é a blusa que faz o meu trabalho, amanhã eu mando só a minha blusa!

Saturday, October 14, 2006

Decotes

Adoro decotes, desde o tempo em que tinha mais peitos. Se tu usares um decotão, é menor a chance de a pessoa perceber o tamanho deles. Se for homem, ele vai ficar vidrado naquele centímetro de pele que apareceu, no risco que faz no meio (se tiveres o costume de usar aqueles sutiãs que turbinam), e olhar menos para o resto do formato. Sem contar que ainda tem aqueles que separam os peitos, dando a impressão de que são menores. Resumindo tudo, como eu sempre tive pernas finas e o tronco "grosso" (como ao contrário de minha companheira de posts), os decotes em V sempre foram meus favoritos.
(desculpem, mas foi o melhor que pude fazer).

Friday, October 13, 2006

Hã...

Gabi começou a escrever seu blog. Por falta de inspiração mútua, sorteamos o tema. Caiu "decotes". E lá vamos...

Saturday, October 07, 2006

Pedágio...

Compromissos profissionais me levaram hoje voluntariamente a um semáforo, para a atividade de "semi-mendicância". Acordei mais cedo do que geralmente acordo em dias de semana, mas como palavra é palavra, lá fui eu. Hoje foi o primeiro dia de Sol forte desta primavera inteira, e dei graças ao Acaso por morar em Florianópolis e gozar do famoso vento sul. Estou absurdamente vermelha (e listrada, pois sempre ficam algumas partes expostas e outras não...), ardendo em febre, morta de sede, com os lábios ressecados, e os pés inchados. Ficamos das 8:00h às 12:00h parados, esperando o semáforo fechar e os carros pararem, para podermos oferecer sacolinhas (dessas de guardar o lixo do carro), e pedindo contribuições espontâneas. O complicado é que havia um semáforo logo antes, mal sincronizado, no qual todos os carros se acumulavam, e quase nenhum parava naquele em que nos encontrávamos. Foi uma experiência esquisita, mas de modo algum chata. Podíamos nos sentar nos intervalos de "sinal verde", e colocamos milhares de conversas em dia (eu, e dois cálegas de repartição, além de outra voluntária). É uma experiência engraçada. A gente realmente vê as coisas por outro ângulo: os carros andando bem devagarinho, na esperança de que o sinal abrisse a tempo de eles correrem, sem ter de conversar conosco. Tem também aqueles que tu nem disseste nada ainda, ele já te enche de dinheiro, só pra não ter que ouvir a tua conversa. Em compensação, só neste período foi arrecadado R$700,00 em dia de movimento considerado fraco. Mais tarde, levando menino Renato em casa, assim que paramos num semáforo, ele comentou que "não agüentava mais ver aquelas bolinhas caindo". Achei curioso, por que eu também depois de ter passado a manhã inteira contando o tempo por intervalos de semáforo, e ver as bolinhas caindo, me deu uma outra noção de tempo, e mais especificamente, de tempo de semáforo (por menos útil que isso possa ser em minha vida...). Resumindo tudo, o pedágio foi um dia diferente, e que alguma coisa mudou em mim. Provavelmente todos os dias acontecem coisas que nos modificam, mas não é sempre que nos damos conta da mudança.

Páginas da Vida

Essa atriz que faz a filha da Helena, eu tenho vontade de esmagar inteira. Aliás, eu acho as crianças com síndrome de down esteticamente muito fofas!

Lua Cheia

Como o tempo anda ruim, e o céu nublado, ultimamente eu não tinha podido acompanhar as fases da Lua. Mas analisando meu estado de espírito, e a notícia de que estamos, realmente, na Lua cheia, eu não deveria me surpreender. Eu sou totalmente "de lua". Crendices à parte, eu realmente fico muito perturbada quando estamos na Lua cheia. É mau humor, é grosseria, é escândalo, é violência, mesmo. Pelo menos não coincidiu com a TPM. Da última vez que isso aconteceu, às 7:30h da manhã eu já estava armando o maior barraco com um desconhecido no ponto de ônibus...
Insolada, enfastiada, e com o aval da Lua cheia pra ser totalmente desagradável, hoje é um ótimo dia pra colocar todo o choro em dia.

Blog Archive